Voto repreendido



Ilustração: Beto Nejme/Grau 180.com

Custou R$ 500 mil o voto proferido por João Alves de Queiroz Filho, conhecido como Júnior da Arisco, nas duas assembleias que decidiram os rumos do fechamento de capital do UOL, em 2011. A multa, no valor máximo que a CVM pode imputar, foi aplicada em 17 de dezembro em razão de o acionista ter votado em uma deliberação na qual estaria impedido. A pauta era a escolha do banco que avaliaria as ações da empresa na oferta pública de aquisição (OPA) para fechamento de capital — decisão em que somente acionistas integrantes do free-float podem votar. Queiroz Filho, apesar de não integrar o bloco de controle, se encaixa na definição de pessoa vinculada ao comando da empresa. Sua participação superava as de todos os demais minoritários somadas, o que tornou o voto determinante na escolha do banco.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  UOL CAPITAL ABERTO mercado de capitais Fechamento de capital multa Júnior da Arisco João Alvez de Queiroz Filho Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Charge do mês - Edição 125
Próxima matéria
O cerco fechou



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
Charge do mês - Edição 125