Por conselhos mais femininos

Hampton-Alexander Review estimula discussão sobre como atrair mais mulheres para os boards

Governança Corporativa / N@ Web / 29 de junho de 2018
Por 


Ilustração: Rodrigo Auada

“O desafio da diversidade está evoluindo. O problema é que agora encontramos líderes com discursos receptivos ao tema, mas que não promovem mudança efetiva alguma.” A frase é de Denise Wilson, diretora do Hampton-Alexander Review, comitê independente apoiado pelo governo do Reino Unido. O grupo tem por objetivo fazer com que um terço das posições de liderança e cadeiras de conselhos de administração das empresas que integram o índice FTSE 350 sejam ocupadas por mulheres. Wilson participou de um evento sobre o assunto na semana passada, e suas observações foram compartilhadas nas redes sociais do comitê.

No Twitter, usuários usavam a #womenonboards para debater o tema e pensar em soluções para promoção da diversidade de gênero nos conselhos. Atualmente, 29% das vagas dos boards de companhias integrantes do FTSE 100 são ocupadas por conselheiras. No FTSE 350, esse percentual chega a 25,5%. Consultora de governança, Dina Medland observa que não será fácil alcançar a meta de um terço de mulheres nos boards. “Cerca de 40% de todas as indicações precisam ir para mulheres nos próximos dois anos para atingirmos esse objetivo”, destaca.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  diversidade #womenonboards Denise Wilson Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Como a GDPR impacta as empresas brasileiras
Próxima matéria
O dominó da Petrobras



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Como a GDPR impacta as empresas brasileiras
Em vigor desde o último 25 de maio, a General Data Protection Regulation (GDPR), lei de proteção de dados da União Europeia...