Sobrou para o investidor

Fidelity vai repassar a seus clientes custos de pesquisa e análise

Gestão de Recursos/Internacional / 10 de dezembro de 2017
Por 


 

Ilustração: Rodrigo Auada

Ilustração: Rodrigo Auada

A gestora de recursos Fidelity, que tem 2,25 bilhões de dólares sob gestão, anunciou que vai repassar a seus clientes os custos com pesquisa e análise — o equivalente a 42 milhões de dólares ou 0,0228% dos 185 bilhões e dólares das carteiras de seus fundos de ações. A decisão é decorrente do MiFID II, sigla em inglês para a segunda diretiva de mercado para instrumentos financeiros, um conjunto de regras para o mercado europeu que entrará em vigor no próximo dia 3 de janeiro e que vai acabar com a prática de distribuição gratuita de análises.

O objetivo do MiFID II é deixar o sistema mais transparente. Atualmente, é comum que gestoras recebam relatórios de análise “gratuitamente”, em troca da utilização dos serviços de negociação dos bancos de investimento. A maioria das gestoras preferiu absorver os custos com pesquisa e análise, mas algumas, como Fidelity, Schroders, Amundi e a Deka, decidiram repassá-los para seus investidores. A justificativa da Fidelity é o fato de não querer tratar de forma diferenciada seus clientes, uma vez que não atua apenas no mercado europeu.

A Fidelity anunciou ainda um novo sistema de cobrança de taxa de performance de seus fundos de gestão ativa. Em vez de fixa, a taxa será maior se a performance exceder o benchmark e menor se ficar abaixo dele. Com isso, a gestora pretende evitar a migração de recursos para fundos passivos. O presidente da gestora, Brian Conroy, espera que outras assets sigam o mesmo caminho.

 




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Gestão de Recursos Internacional investimento Fidelity MiFID II pesquisa Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
A próxima “Bitcoin”?
Próxima matéria
ITBI polêmico



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
A próxima “Bitcoin”?
O Bitcoin caiu na boca do povo — e não à toa. Na semana passada, diversas publicações na imprensa destacaram a alta...