Financiando educação

Ex–estudantes divulgam modelo de fundos endowment para universidades e fundações

Captação de recursos/Temas/Edição 105 / 1 de maio de 2012
Por 


Em 2008, Daniel Ávila, Daniel Resende e Felipe Sotto–Maior mal tinham recebido o título de bacharéis pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP) quando foram convocados pelo centro acadêmico da escola, o XI de agosto, para uma missão: ajudá–lo a investir o valor milionário recebido de uma indenização, tornando a verba uma fonte de renda para a organização estudantil. O trio de amigos era conhecido pela familiaridade com o mundo das finanças e logo percebeu que o convite era uma oportunidade para replicar o modelo de gestão dos bilionários fundos endowment de universidades norte–americanas, como Harvard e Yale, que arrecadam doações financeiras de ex–estudantes e investem o dinheiro no mercado de capitais. O rendimento supre boa parte dos custos dessas instituições.

O XI de Agosto não implementou um fundo endowment, porque não chegou a montar um programa de doações. Mas não demorou para a Escola Politécnica da USP descobrir a iniciativa e chamar Ávila, Resende e Sotto–Maior para aí, sim, criar o primeiro fundo do tipo de uma universidade brasileira — no caso, o da escola de engenharia da USP. Ainda em estágio inicial, o fundo contabilizou as primeiras doações em 2011 e hoje tem o patrimônio exposto a ações e títulos públicos, por meio de veículos de investimento geridos por bancos e assets independentes.

Os três colegas da São Francisco formaram a consultoria Endowments do Brasil e têm apresentado essa forma de financiamento em workshops de faculdades e fundações de todo o País. Segundo Daniel Ávila, está em processo de constituição um fundo endowment para a Direito GV, da Fundação Getulio Vargas. A Endowments do Brasil auxilia as instituições a elaborar o regulamento dos fundos, angariar doadores e selecionar gestores.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  USP fundos endowment Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Bolsa de Lima quer verticalizar operações
Próxima matéria
Uma 476 para ações



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Bolsa de Lima quer verticalizar operações
A Bolsa de Valores de Lima (BVL) está pressionando o governo peruano para assumir o controle da Cavali, grupo privado responsável...