Duas boas tacadas

Garimpando oportunidades na crise, Iochpe se torna a maior fabricante mundial de rodas

Captação de recursos/Temas/Edição 105 / 1 de maio de 2012
Por 


Dem pretensões de reinventar a roda, a Iochpe–Maxion aproveitou a crise internacional para comprar duas operações estrangeiras em apenas um mês: a norte–americana Hayes Lemmerz, fabricante de rodas de aço e alumínio; e o grupo mexicano Galaz, de peças para chassis. Anunciadas em outubro de 2011, as duas tacadas estão diretamente ligadas à forte valorização da companhia na Bolsa de Valores nos últimos meses. Entre 5 de outubro de 2011 — data da divulgação da aquisição da Hayes Lemmerz — e 23 de abril deste ano, a Iochpe viu suas ações ordinárias subirem 107,5%.

A longa história da Iochpe, iniciada em 1918, passou por setores diversos, como o madeireiro e o financeiro, até ganhar foco no ramo industrial. Na década de 1990, a companhia escolheu o setor de autopeças e de equipamentos ferroviários como nicho, comprando participações em empresas que a levariam a destaque mundial. No pregão seguinte ao anúncio da compra da Hayes Lemmerz, os papéis da Iochpe fecharam em alta de 14,70%. “O mercado gostou do preço acertado”, lembra Daniel Gewehr, analista do Santander. A Iochpe se comprometeu a pagar US$ 725 milhões pela empresa norte–americana. Isso significa algo como 3,7 vezes o lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda), enquanto a ação da companhia vinha sendo negociada a quase 6 vezes o mesmo indicador, segundo o Santander. Em termos de geração de caixa, as duas empresas se equivalem. No ano passado, a norte–americana atingiu um Ebitda de R$ 393 milhões, ao passo que a companhia brasileira divulgou R$ 404 milhões.

Ao contrário da Iochpe, que tem diferentes linhas de negócio, a Hayes Lemmerz é fundamentalmente uma fabricante de rodas e a líder mundial do setor (com capacidade de produção anual estimada em 63,4 milhões de unidades) — título repassado à empresa brasileira. A compra desse ativo permite a entrada da Iochpe no mercado de rodas de alumínio — atualmente, ela produz só peças de aço. No caso do Grupo Galaz, a Iochpe combinou um preço de US$ 195 milhões com os herdeiros do fundador. O Ebitda da Galaz em 2011 somou R$ 65 milhões. As duas empresas adquiridas são fechadas.

Se seus resultados fossem considerados na receita líquida da Iochpe em 2011, o faturamento teria mais que dobrado. Conforme cálculos do Santander, a receita líquida combinada seria de R$ 6,3 bilhões, contra os R$ 2,8 bilhões efetivamente registrados. A integração dos resultados, porém, só começa em 2012.

Com as aquisições, a distribuição do faturamento fica mais equilibrada. Em 2011, 78% das receitas da Iochpe vieram do mercado sul–americano, outros 15% foram conquistados nos Estados Unidos, e apenas 1% veio da Europa. Agora, a América do Sul passa a representar 44% da receita, e a Europa e os países da América do Norte, 25% cada. Apesar de sediada em Michigan, nos Estados Unidos, a Hayes Lemmerz conta com 17 fábricas espalhadas por 11 países, dos quais cinco são europeus. O Velho Continente foi responsável por 50% das vendas em 2010.

Aumentar a modesta participação no mercado asiático, de cerca de 6%, é uma meta. Para acelerar seu crescimento na Ásia, berço de montadoras que vêm mudando a geografia da indústria automobilística, a Iochpe vai se concentrar no mercado de rodas. Para tanto, quer aproximar a recém–adquirida Hayes Lemmerz, que tem como principais clientes as ocidentais Ford, GM, Daimler e Volkswagen, das montadoras asiáticas.

Além da expansão agressiva em outros países, as compras tiveram um caráter defensivo. “Acredito que, se a Iochpe não se internacionalizasse, concorrentes globais entrariam nos mercados dominados pela companhia”, afirma Gewehr. Negociada no Novo Mercado, a Iochpe é uma das poucas companhias brasileiras que se encaixam no perfil de corporação. A família controladora detém apenas 26,6% das ações. Outro sócio importante é o BNDESPar, com 8,8%. “Ter comprado as duas concorrentes estrangeiras no período de crise e por um bom preço é um indicativo de que ela está em boas mãos”, pontua o analista do Santander.

A gestora paulistana Humaitá Investimentos tem a mesma impressão. No último trimestre de 2011, quase dobrou sua participação na companhia. “Investimos na Iochpe há anos”, conta o analista Piter Meyer. Nesse período, ele viu a companhia adquirir outras empresas — como a fabricante de rodas Fumagalli, em 2009 — e se sair bem no imponente desafio gerencial que tem pela frente: integrar as novas operações. “É um processo longo. Estimo em cerca de três anos”, afirma Meyer. Nesse período, avalia Meyer, a companhia dificilmente comprará mais alguma empresa. Sua opinião não se deve apenas à complexidade de integrar operações mundo afora. Como as duas compras foram estruturadas com empréstimos, a dívida atingiu 2,4 vezes o Ebitda. Dentre as companhias do setor acompanhadas pelo Santander, o endividamento médio, em relação ao mesmo índice, é de 0,9. De acordo com os analistas, a empresa não deve ter problemas para alongar a dívida contraída, mesmo se a receita da operação brasileira vier a recuar um pouco no primeiro semestre deste ano em comparação ao mesmo período do ano passado. Com a obrigatoriedade de uso de novos motores a diesel, menos poluentes e mais caros, a partir de 2012, muitas empresas adiantaram suas compras para o fim de 2011.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Iochpe-Maxion Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Foro legítimo
Próxima matéria
O mito da modernização



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Foro legítimo
Uma sentença da 2ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo envolvendo duas concessionárias...
estudo_aplicado_02-07

Promoção de aniversário

ASSINE O PLANO COMPLETO POR R$4,99 NOS TRÊS PRIMEIROS MESES!

{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}