Desalinhamentos (BR Insurance)

Corretora vê união entre acionistas ruir com fim de lock-up e balanço “armagedom”

Captação de recursos/Alta & Baixa/Edição 131 / 1 de julho de 2014
Por 


A união faz a força? Se o parâmetro for a história da BR Insurance, é preciso mais. O segredo do sucesso ou de um grande tombo está na forma escolhida para unir interesses, o alinhamento.

A BR Insurance foi criada em 2009, como uma sociedade de 27 corretoras.Um ano depois, vieram a abertura de capital e o plano de crescer por meio de aquisições, seguido à risca. Do IPO até hoje, o grupo agregou 25 corretoras. E cada uma foi paga parte em dinheiro e parte em ações. O problema é que o valor das parcelas em ações tem como base os resultados futuros. A carta que sustenta o castelo da companhia, portanto, é o preço da ação.

O castelo balançou para valer com o resultado do quarto trimestre de 2013.O lucro líquido caiu 58%, devido a perdas no valor de ativos e contratos. Não por acaso, os analistas Eduardo Rosman, Gustavo Lobo e José Luís Rizzardo, do BTG Pactual, usaram um termo bíblico para qualificá-lo: “armagedom”. O balanço saiu em 31 de março. No dia seguinte, o papel desabou 30%; em cinco pregões, acumulou perda de 62,8%.

Enquanto isso, a empresa mudou de rumo e de timoneiro. O diretor-executivo, Tuca Ramos, passou a integrar o conselho de administração (com três outros nomes novos, o órgão tem, agora, 60% de membros independentes). E, desde maio, o CEO é Edward Lange.

O primeiro trimestre foi pior ainda: queda de 70% do lucro líquido. Junto com o balanço, a companhia anunciou mais mudanças. O modelo de remuneração passou a dar incentivos para os corretores trazerem contratos e resultados; as áreas comerciais e de suporte administrativo foram centralizadas. A empresa vai passar o ano na captura de ganhos em sinergia e adiou para o futuro a retomada das compras. “Era a solução possível”, acredita Pedro Zadeu, analista do Banco Fator. “A estrutura de custos vai aumentar, e só os próximos resultados dirão se essas mudanças vão resultar em mais alinhamento.”

Por enquanto, o que se sabe é que a BR Insurance está em fase de reconstrução de resultados e de sua reputação. No IPO, estabeleceu-se um lock-up (período no qual os acionistas originais não podem vender as ações) de quatro anos. Vencido o prazo, o alinhamento entre os sócios antigos e os interesses da companhia foi posto à prova. Segundo um relatório da Comissão de Valores Mobiliários divulgado em abril, conselheiros e diretores venderam algumas ações em janeiro, antes de o papel desabar com o “armagedom”. Ou seja, parte da antiga direção perdeu menos que os outros acionistas.

A escolha das companhias para esta seção é feita a partir de um levantamento da Economática com a oscilação e o volume negociado mensalmente por ações que possuem giro mínimo de R$ 1 milhão por dia. A partir daí, são escolhidas aquelas que se destacam pelas variações positivas e negativas nos últimos seis meses.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CAPITAL ABERTO mercado de capitais Corretora BR Insurance armagedom plano de aquisições sinergia timoneiro reputação alinhamento Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Sim - Em 2001, o conceito legal de valor mobiliário passou a abranger o condo-hotel
Próxima matéria
Santa causa (Anima)



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Sim - Em 2001, o conceito legal de valor mobiliário passou a abranger o condo-hotel
O conceito de valor mobiliário é basilar para o mercado de capitais. Seu emprego na legislação possui importante caráter...