Bitcoin em ritmo de montanha-russa

Seletas / N@ Web / Edição 62 / 20 de Janeiro de 2017
Por 


Ilustração: Rodrigo Auada

Ilustração: Rodrigo Auada

Há um ano, uma bitcoin valia por volta de US$ 385; no fim de 2016, tomou uma curva ascendente meteórica e bateu US$ 1.130 no dia 4 de janeiro. Logo depois, no entanto, a cotação desabou por causa de uma ação do banco central chinês, que descobriu irregularidades em bolsas de valores que negociavam a moeda eletrônica. Na última quarta-feira, 18 de janeiro, era negociada a cerca de US$ 900. Não é por acaso, portanto, que a bitcoin está levando traders à loucura. Além dessa volatilidade estonteante, embaça a visão dos operadores o fato de a moeda ainda estar envolta em mistérios. Quais são as melhores bolsas para negociá-las? São confiáveis as plataformas que a todo momento e em todo lugar surgem propagandeando lucros fabulosos? E na hora de declarar impostos, como fica?

No Bitcoin Brasil, grupo fechado do Facebook que tem cerca de 27 mil membros, usuários passam o dia comentando questões como essas. Um deles, por exemplo, diz querer criar um aplicativo que aceite a bitcoin como moeda, e pergunta quais as características necessárias. Logo outro responde: “O ideal é ter duas opções: receber em bitcoin e cair em reais na conta; ou receber em cartão e cair em bitcoins”. Para os novatos que chegam ao grupo, há uma série de conselhos-padrão: “É melhor evitar negócios que não passem por bolsas de valores”; “Não existe receita mágica para ficar rico da noite para o dia”; e o mantra: “Por trás de uma promessa sedutora provavelmente há uma fraude”.



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  volatilidade Bitcoin n@ web Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Perto do fim
Próxima matéria
Brasil sob compliance




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Perto do fim
2017 será um ano de finalizações para o atual presidente da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). A seis meses de encerrar...