MSCI cria índice que exclui ações sem direito a voto 

Lançamento atende demanda de investidores institucionais 



Ilustração: Rodrigo Auada

A consultoria americana MSCI, que elabora vários índices que servem de referência para fundos de investimento, pretende lançar no começo de 2019 um novo grupo de índices que vai excluir empresas que tenham ações com poderes de voto distintos entre si. A MSCI disse que tomou a decisão não apenas por ser a favor do princípio “uma ação, um voto”, mas por ter percebido uma demanda por esse produto entre investidores institucionais. 

Outras provedoras de índice também estão se debruçando sobre o assunto. Enquanto a FTSE Russell afirmou que analisa a questão, a S&P Dow Jones Indices ressaltou que vai barrar a entrada de empresas com essa característica no S&P 500, índice que congrega as maiores companhias listadas em bolsa de valores nos Estados Unidos. 

Entre as companhias que têm mais de uma classe de ação estão o Facebook, a Snap, dona do Snapchat, e a Alphabet, holding que controla o Google. Segundo elas, esse modelo é usado para que seus fundadores — muitas vezes idolatrados como gênios e vistos como essenciais para os negócios — tenham controle das decisões. Importantes gestoras de recurso como BlackRock, Vanguard e State Street, entretanto, são contra essa tendência. 


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  fundo de investimento MSCI classe de ação Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Monica de Bolle estuda influência de evangélicos sobre vitória de Bolsonaro 
Próxima matéria
A psicologia por trás das bitcoins 



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Monica de Bolle estuda influência de evangélicos sobre vitória de Bolsonaro 
A economista Monica de Bolle usou seu Twitter pessoal para falar de um estudo que vem produzindo. Ela expôs um gráfico...