Conciliações

Regras costumam não agradar o impulso liberalizante dos agentes do mercado de capitais. Normas tornam-se imprescindíveis, contudo, face à necessidade de conciliação de interesses de empreendedores, investidores e executivos dos grupos empresariais. Ainda assim, no curso da História, nota-se que a …

Seletas/Editorial/Edição 32 / 25 de maio de 2016
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


Regras costumam não agradar o impulso liberalizante dos agentes do mercado de capitais. Normas tornam-se imprescindíveis, contudo, face à necessidade de conciliação de interesses de empreendedores, investidores e executivos dos grupos empresariais. Ainda assim, no curso da História, nota-se que a motivação para se erguer e derrubar normativos não é apenas conceitual. Na prática, ela está intimamente ligada aos ventos que movem a economia.

É o que hoje se vê com as pílulas de veneno. Copiadas e coladas de um estatuto social para outro nos anos de euforia com os IPOs, as ofertas públicas obrigatórias aos acionistas que alcançam certa fatia do capital social agora são abrandadas. O intuito é não bloquear eventuais aquisições que possam servir à capitalização das companhias em momento de crise. Preocupações que levaram esse tipo de obrigação a existir no passado, como a vulnerabilidade das companhias a aquisições por preços vis, neste momento são menos importantes do que salvar o negócio. É o tempo de novas conciliações.

O risco é a queda das barreiras erguidas durante a euforia surtir pouco efeito quando os ventos desaparecem. Há muito aplacado por um mercado secundário insignificante e pela competição injusta com a taxa de juros oficial, o segmento de debêntures recebeu diversos incentivos para prosperar. No primoroso texto que publica nesta SELETAS, o colunista Carlos Rebello mostra que alguns deles, embora incorporados a uma lei de 2011, ainda não foram usufruídos pelo mercado ou sequer regulamentados. Pelo jeito, não há interesse.

Suavização de regras, entretanto, requer cuidados, como mostra o professor Jacques Demajorovic em artigo nesta edição. Explorando o caso da Samarco, ele lembra que o compartilhamento de riscos com a sociedade deve ser devidamente regulamentado, sob pena de tragédias acontecerem mesmo quando a empreitada está sob a guarda de empresas com sólida reputação. O equilíbrio entre riscos e limites é difícil, mas essencial. Assim se convive em sociedade.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  mercado de capitais editorial simone azevedo Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Fusões e aquisições
Próxima matéria
“Relate ou Explique para Relatório de Sustentabilidade ou Integrado”: um case brasileiro de sucesso



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Fusões e aquisições
As turbulências políticas e econômicas que o Brasil passou a vivenciar recentemente influenciam a percepção de risco...