O luddismo e o Uber

Os corporativistas e reacionários não percebem que as tecnologias — e o progresso que representam — são invencíveis

Análise/Edição 146 / 1 de novembro de 2015
Por 


77

Montagem com fotos extraídas de Wikipédia e freeimages.com.

Avessas à concorrência e a qualquer tipo de modernidade, as antigas corporações de ofício eram organizações medievais dedicadas a proteger o mercado de seus associados da ameaça de novos competidores. O símbolo máximo dessa animosidade foi a atuação dos luddistas, que no início do século XIX destruíam máquinas industriais por considerar que elas tomavam empregos de operários indefesos. A expressão deriva do nome de um dos expoentes do movimento, Ned Ludd.

As corporações de ofício foram banidas do Brasil pela Constituição de 1824, outorgada por Pedro I, especificamente no inciso 25 do artigo 179. No entanto, pouco mais de um século depois, com a chegada de Getúlio Vargas ao poder, elas foram reintroduzidas no País sob o rótulo de sindicatos e seus diversos matizes. Persistem, até hoje, na tarefa maior de evitar a concorrência e
o desenvolvimento.

Mais de 200 anos após os luddistas, o Brasil está assistindo a um embate do mesmo gênero: taxistas, de um lado, e motoristas e usuários do aplicativo Uber (que promove a condução de passageiros à margem do sistema corporativo), de outro. O País tem presenciado, perplexo, a numerosas carreatas de táxis e manifestações hostis contra passageiros e motoristas adeptos da nova tecnologia. Isso, inclusive, com o apoio solerte de políticos e legisladores medíocres, ávidos por meia dúzia de votos para as próximas eleições.

O que esses corporativistas e reacionários não percebem é que as tecnologias — e o progresso que representam — são invencíveis. De nada adianta tentar frear a marcha inexorável da humanidade em sua busca permanente de mais desenvolvimento e, sobretudo, de conforto material.

Parodiando um velho slogan esquerdista, resta dizer aos inimigos do futuro:

Não passarão!


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Desfecho incerto
Próxima matéria
Contra a corrente



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




Leia também
Desfecho incerto
Com ações listadas na Bolsa há cerca de 40 anos, a Saraiva é hoje uma incógnita para os investidores. O mercado...