SEC aperta o cerco contra análises de ações supostamente independentes

No último dia 10, a Securities and Exchange Commission (SEC) acusou de fraude um total de 27 pessoas (físicas e jurídicas). De acordo com o regulador do mercado de capitais americano, elas fizeram recomendações supostamente independentes e desinteressadas de ações quando, na verdade, estavam sendo …

Seletas/Internacional/Edição 74 / 13 de abril de 2017
Por 


Ilustração: Rodrigo Auada

Ilustração: Rodrigo Auada

No último dia 10, a Securities and Exchange Commission (SEC) acusou de fraude um total de 27 pessoas (físicas e jurídicas). De acordo com o regulador do mercado de capitais americano, elas fizeram recomendações supostamente independentes e desinteressadas de ações quando, na verdade, estavam sendo pagas para indicar os papéis.

Três companhias listadas em bolsa, dois CEOs que nelas trabalham, sete veículos de comunicação sobre investimentos e seis de seus funcionários, além de nove autores contratados por esses veículos, estão envolvidos. Dos acusados, 17 firmaram acordos com a SEC. Eles se comprometeram a devolver os lucros obtidos ou a pagar multas que variam entre US$ 2,2 mil e US$ 3 milhões, dependendo da gravidade de suas ações. No caso dos outros, o litígio continua.

A investigação da SEC descobriu que empresas listadas contratavam pessoas influentes — inclusive celebridades de Hollywood — ou veículos de comunicação para gerar publicidade positiva para suas ações. Esses veículos contratavam pessoas para escrever artigos falando bem dessas empresas e recomendando a compra dos papéis. Apesar disso, 250 artigos veiculados em portais como o Seeking Alpha e Benzinga diziam protocolarmente que os autores não estavam sendo recompensados de nenhuma forma por suas opiniões.

Em comunicado sobre as acusações, a SEC frisou que quem é pago para recomendar investimentos precisa deixar bem claro para o leitor que está sendo remunerado.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 36 00

Mensal

Acesso Digital
-
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Completa

R$ 42 00

Mensal

Acesso Digital
Edição Impressa
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Corporativa

R$ 69 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 15% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Clube de conhecimento

R$ 89 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 20% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital | Acervo de Áudios



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  SEC fraude indicação de ações publicidade positiva recomendação de investimentos Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
A gritaria acabou: do pregão viva-voz à negociação eletrônica
Próxima matéria
Avanço ou retrocesso?



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
A gritaria acabou: do pregão viva-voz à negociação eletrônica
A gritaria começou, para mim, há aproximadamente 25 anos, quando comecei a trabalhar na antiga BOVESPA. Fui contratado...
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}