Virada enérgica

Depois da moratória em 2003, Light muda o controle, reestrutura dívida e volta a ter luz própria

Captação de recursos/Temas/Edição 65 / 1 de janeiro de 2009
Por 


Há praticamente um ano, na tarde do dia 13 de fevereiro de 2008, a Light ressurgia, triunfante, de um modorrento inferno astral. A distribuidora que leva energia elétrica a 3,8 milhões de clientes em 31 municípios do Rio divulgava o sepultamento de um prejuízo de R$ 150,5 milhões, ao anunciar lucro de R$ 1,07 bilhão. Foi um brinde espetacular: comemorava-se, afinal, o melhor resultado da companhia em 12 anos. Mais do que tirar o balanço do vermelho, o ganho deixava evidente que a virada financeira da Light não era apenas uma promessa feita por seus novos donos. Era real. Depois de nove anos, os dividendos — R$ 721 milhões — voltaram a ser distribuídos aos acionistas.

Era um figurino novo para vestir uma empresa velha. Com seus mais de 100 anos, a Light teve uma trajetória digna de enredo de novela. Foi privada, estatal e privada. Subiu ao céu e desceu ao inferno. Teve donos com nacionalidades diferentes — canadenses, franceses, americanos e brasileiros. Ao longo dos anos, operou em atividades bem distantes da sua atual realidade. Era dona, quem diria, dos bondes que transportavam passageiros dentro da “Cidade Maravilhosa”. Foi precursora no lançamento do ônibus elétrico que percorria a famosa Avenida Rio Branco e circulara até 1927. E, também, a criadora da Viação Excelsior, que trouxe a inovação ao lançar os moderníssimos ônibus com cobrador e, logo depois, os ônibus de dois andares, apelidados pelo carioca de “chope duplo”. Além do transporte — seja de passageiros, seja de energia elétrica —, a companhia operou, ainda, na área de telefonia. Mas tudo isso foi há muito tempo.

O mais recente e importante capítulo da sua história secular vem sendo escrito desde 11 de agosto de 2006, quando a Light deixou de ser controlada pela Electricité de France (EDF) e foi arrematada pelo consórcio Rio Minas Energia (RME) — formado pela estatal mineira Cemig, a Andrade Gutierrez, a Equatorial Energia e a Luce do Brasil —, dono de 52% do capital total. “No dia em que foi comprada, a ação estava cotada a R$ 15 na bolsa, e os novos donos pagaram R$ 6”, recorda Ronnie Vaz Moreira, vice-presidente de Relações com Investidores (RI). “Hoje está a R$ 23, mas pode bater em R$ 36 ou R$ 38, como já ocorreu no passado”, emenda o executivo, que já foi diretor financeiro da Petrobras e presidente da Globopar.

Sua contratação, aliás, faz parte da estratégia de reestruturação comandada pelo sempre gentil José Luiz Alquéres, ex-presidente da Eletrobrás e atual presidente da Light. Quando capitaneou, pessoalmente, a aquisição da Light, Alquéres (que também já comandou a francesa Alstom) tinha planos de formar uma equipe de ponta para tocar a empresa. Além de Moreira, ele contratou Roberto Alcoforado, ex-presidente da Celpe, e Paulo Henrique Born, ex-vice-presidente da Duke Energy.

Com esse time, Alquéres pôs em prática um plano de gestão com 14 grandes frentes de ação — equacionamento de dívida, aumento da arrecadação, renegociação de recebíveis do setor público, dentre outras. Uma das principais, porém, foi mudar a estrutura da dívida, cara para uma empresa que, em 2003, no pior momento de sua crise financeira, deixou de honrar quase meio bilhão de reais em compromissos com um pool de bancos privados. Era o primeiro calote da Light e o segundo de um setor que agonizava, ainda com rescaldo do racionamento de energia elétrica de 2001. Antes da Light, a AES, dona da distribuidora Eletropaulo e da geradora AES Tietê, havia dado um “default” de US$ 1,2 bilhão. Moreira lembra que 55% da dívida estava denominada em dólar. Hoje, apenas 4% estão em moeda estrangeira. O valor e os prazos para pagamento também diminuíram. Passaram, respectivamente, de R$ 2,53 bilhões em dezembro de 2006 para R$ 1,37 bilhão em setembro de 2008, e de 5,4 anos para 3,5.

Os resultados se refletiram nos últimos balanços. No terceiro trimestre de 2008, a distribuidora teve um lucro líquido de R$ 207,8 milhões, ante um ganho de R$ 50,01 milhões em igual período do ano anterior. No acumulado dos nove meses, a soma sobe para R$ 697 milhões, contra R$ 578 milhões. A receita líquida, no terceiro trimestre de 2008, foi de R$ 1,3 bilhão, um crescimento de 11,1%. E o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortizações) totalizou R$ 364 milhões, alta de 46% em comparação com o terceiro trimestre de 2007. A melhora de números se deve a uma conjunção de fatores, incluindo a própria reestruturação e a expansão do mercado, mas também ao fato de a Light ter revertido provisões no segundo e no terceiro trimestre do ano. As despesas financeiras caíram de R$ 132,5 milhões para R$ 106 milhões no terceiro trimestre de 2008.

A companhia — que também comercializa e gera energia elétrica com cinco usinas (855 MW) — possui uma base de clientes diversificada: 42% da eletricidade vendida em sua rede de distribuição destina-se a atender a demanda de clientes residenciais, 31,8% a clientes comerciais, 9,4% a industriais, e 16,8% a outros. “É, na verdade, como se a companhia estivesse sendo privatizada agora”, compara o executivo. A Light fez parte do pacote de privatização do governo FHC. Foi leiloada na bolsa carioca em 1996 e comprada pela EDF, pela Reliant Energy e pela CSN.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  bolsa de valores Análise setorial Energia elétrica Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Investidores individuais na mira do mercado
Próxima matéria
Sinergias ou conflitos de interesse?



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Investidores individuais na mira do mercado
O investidor de varejo será a “menina dos olhos” do mercado em 2009. Mesmo com a crise financeira, esse aplicador não...