Soluções para o crescimento

Fusões e aquisições são uma forma de reagir à omissão do governo no fomento da produção

Legislação e Regulamentação/Edição 10/Temas / 1 de junho de 2004
Por 


Uma das torcidas mais recorrentes hoje é para que o governo federal decida finalmente começar a administrar o país. Para que diminua a carga tributária e a taxa de juros, promova políticas de incentivo à produção, determine de uma vez a dissociação entre Poder Executivo e agências reguladoras e aparelhe o Estado como meio fomentador da produção. Expectativas demais? Muito provavelmente, melhor não se iludir.

Mas o fato é que nem tudo está perdido. Afinal, o meio empresarial brasileiro sempre soube crescer em meio aos mais variados tipos de problemas, crises e políticas governamentais desastradas. Diante do diagnóstico pouco amigável, resta-nos viabilizar soluções para que as empresas se tornem mais competitivas, independentemente de ações governamentais ou de organismos estrangeiros. Cenário em que as fusões e aquisições serão certamente algumas delas.

O que se percebe hoje é que empresas dos mais diversos segmentos e tamanhos ainda não se deram conta de que as fusões e aquisições, assim como as reorganizações societária ou tributária, são uma saída para a crise. Trata-se de um caminho para conquistar mercado, reduzir custos de toda ordem e incrementar produtividade e competitividade.

A partir do início da década de 1990 e, com mais ênfase, após a implementação do Plano Real e das privatizações, o país começou a ver, algumas vezes atônito, um grande processo de fusões e aquisições, principalmente no setor industrial, responsável por 93% das operações. Pode-se então concluir que tais operações só devem ser feitas por grandes corporações, certo? Errado.

No Brasil, ocorreu a maciça compra de controle de empresas de capital nacional por grandes empresas multinacionais pertencentes aos oligopólios internacionais. Aí entraram grandes grupos dos setores de energia, telecomunicações, farmacêutico, automobilístico e tecnológico, aproveitando-se da pouca competitividade das empresas brasileiras em âmbito internacional e de fatores políticos e econômicos existentes na época.

Mas setores no Brasil como o de mineração, têxtil, siderurgia, transporte, o tão em moda agro negócio, dentre vários outros, incluindo serviços, permanecem praticamente intactos. Seja por falta de visão de seus dirigentes ou por falta de apoio ou por receio em função do risco de se fazer investimento no país. O chamado Risco Brasil também vale internamente. Estes são setores em que o número de empresas brasileiras é expressivo e reside uma oportunidade, talvez única, de se criar corporações nacionais fortes com capacidade internacional competitiva.

Empresas fortes geram estruturas avançadas, empregos de nível médio e superior, maior arrecadação de impostos e aumento de competitividade interna e externa. O que se recomenda a partir do momento em que se enxerga a necessidade de crescer, desaparecer ou ser engolido é cercar-se dos meios e pessoas que comunguem da mesma visão e, a partir disto, iniciar um processo de aproximação com empresas que, de preferência, busquem o mesmo caminho.

Existem hoje equipes especializadas na busca de empresas equivalentes nos setores em que atuam e que poderiam se tornar mais fortes atuando em conjunto através de uma fusão. Estas equipes ficam encarregadas da estruturação de todo o processo, desde a delicada parte jurídica e econômica, passando por todos os aspectos inerentes às administrações e distribuições de cotas ou ações. Fica assim evidente que a opção do empresário que vislumbra crescimento, seja ele de qualquer setor de atividade, passa pela via da fusão ou aquisição. E não pela espera de alguma política de fomento por parte dos governos federal ou estadual.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  fusões e aquisições governo federal Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Atendimento customizado
Próxima matéria
Festa imobiliária



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Atendimento customizado
Os princípios de relacionamento com clientes e as estratégias de comunicação dos SACs (Serviço de Atendimento ao Consumidor)...