Sócios com controle piramidal são perigo para estrangeiros

Gestão de Recursos/Internacional/Temas/Edição 57 / 1 de maio de 2008
Por , e


Uma joint venture formada por um grupo local com estrutura piramidal de controle e outro estrangeiro com uma composição societária clássica tem menos chances de sucesso que uma sociedade entre dois grupos de estruturas tradicionais. A conclusão está no estudo Innocents Abroad: The Hazards of International Joint Ventures with Piramidal Group Firms, do trio Susan Perkins, Randall Morck e Bernard Yeung, que usou as joint ventures do setor de telecomunicações brasileiro como exemplo.

O estudo apresenta como explicação para o resultado a pouca familiaridade de grupos estrangeiros com a formação piramidal, na qual um acionista controla várias empresas por meio de posições alavancadas com ações preferenciais. O poder de decisão do controlador em empresas piramidais é bem maior que sua participação econômica no negócio, um risco de governança difícil de ser medido por um estrangeiro, segundo os autores. A conseqüência mais perversa dessa estrutura é o desalinhamento de interesses entre controlador e companhia, uma armadilha que pode levar a decisões benéficas para outras empresas do mesmo controlador, em prejuízo dos interesses dos minoritários na parceria.

Um dos casos citados no estudo ilustra bem o truncado desenho de grupos piramidais. Em 1998, a sul-coreana SunKyong Telecom (SK) criou a ATL, joint venture com uma empresa do grupo brasileiro Algar, de estrutura piramidal. A SK forneceu parte do capital e a tecnologia CDMA para a ATL, mas delegou o controle à sócia. A SK desconfiou do empenho da parceira e descobriu que o Algar tinha participação em outra operadora que usava a tecnologia rival TDMA, contam os autores. Em 2000, a SK deixou a sociedade.

Os autores recomendam aos estrangeiros descobrir o verdadeiro controlador de suas sócias e os outros negócios dele antes de entrarem no negócio. Indicar o CEO e membros do conselho também aumenta as garantias dos sócios estrangeiros, segundo os pesquisadores.

Conteúdo extra

Acesse o estudo completo do National Bureau of Economic Research.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  controle piramidal joint venture Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
De mãos atadas?
Próxima matéria
ICGN defende os SWFs e rechaça protecionismo



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
De mãos atadas?
Em abril, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) foi posta em uma saia-justa pelo diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo...