Sem restrição para crescer

Juntos, Confrapar e Canal de Crédito planejam levar a comparação de produtos financeiros para além do setor imobiliário

Especial/Gestão de Recursos/Reportagem/Private Equity - Coletânea de casos 2012/Temas / 1 de janeiro de 2012
Por 


 

Há dois anos, Marcelo Prata teve uma ideia: diante da explosão do segmento imobiliário no Brasil, percebeu que não havia nenhum serviço que facilitasse a comparação das ofertas de crédito. Assim nasceu o Canal do Crédito, uma plataforma virtual para comparação das opções de financiamento imobiliário. Para tocar o projeto, Prata sabia que precisaria de um parceiro. “Não conseguiria fazer tudo sozinho, tanto em termos de capital, como de gestão e governança”, lembra o empreendedor. Chegou a cogitar se unir a um investidor-anjo, mas avaliou que a colaboração se limitaria ao aspecto financeiro. Decidiu, então, que, antes de procurar investidores, o mais sensato seria colocar o site no ar. “Na minha cabeça, o primeiro a investir deveria ser eu mesmo; se eu não acreditasse no negócio, quem iria acreditar?”

O site foi lançado em 2009, e o executivo nem precisou gastar muito as solas dos sapatos. Um mês depois, seu projeto entrou no radar da gestora mineira Confrapar, focada em investimentos em tecnologia. A negociação foi rápida: em quatro meses, o fundo HorizonTI figurava no quadro de sócios da companhia. “A tecnologia é importantíssima para a economia do País, pois consegue alavancar o crescimento”, avalia Carlos Eduardo Guillaume, sócio da Confrapar. “Seguindo essa filosofia, a empresa caiu como uma luva para aquilo que procurávamos.”

O fundo HorizonTI, com R$ 40 milhões de capital comprometido, aportou R$ 2,5 milhões na companhia no começo de 2010. Por força de contrato, a Confrapar não pode divulgar a participação adquirida, mas costuma ter fatias que variam de 30% a 49%. Com os recursos, o Canal do Crédito reformulou seu site e criou um simulador que compara e indica o banco com as melhores condições de crédito, conforme o perfil do cliente. “Víamos um crescimento desenfreado do crédito, para o qual ninguém estava preparado. O consumidor tinha a condição de comprar um imóvel, possuía o crédito, mas precisava despender muito tempo pesquisando para concluir onde deveria tomar recursos emprestados”, observa Guillaume.

A Confrapar também aprimorou os aspectos de governança, que ainda estavam muito crus no Canal do Crédito. O fundo instalou um conselho de administração com cinco membros e passou a cobrar uma prestação de contas sistemática. “Incutimos a noção da importância do report, de que há outros sócios e de que é necessário haver transparência”, diz o gestor, que também auxiliou o Canal do Crédito a implantar políticas de compra, viagem e contratação, dentre outras. “Isso ajudou a profissionalizar e estabelecer processos. Antes, ficava tudo na cabeça do CEO.”

Desde o início, a equipe do site é composta de pessoas experientes e com amplo conhecimento do mercado imobiliário. A Confrapar trouxe apenas um novo diretor para complementar a expertise do time — Mauricio de Chiaro, que tinha experiência no mercado norte-americano, onde trabalhou na época do subprime.

De junho de 2010, quando o Canal de Crédito colocou o novo site no ar, até setembro, a base de clientes atendidos saltou de 6 mil para 50 mil. “Em pouco tempo, já havíamos batido a meta estipulada para 2011”, comemora Prata. Para ele, a experiência com o fundo de venture capital se mostrou produtiva antes mesmo de o negócio ser fechado. “Aprendi muito com o processo de pré-investimento. O tempo que passei conversando com os vários comitês de análise de empresas me fez amadurecer.”

Além dos benefícios para a governança, Prata ressalta o networking da Confrapar, que é recheado de contatos nas áreas financeira, imobiliária e de tecnologia. Segundo o executivo, essa lista será de vital importância para os planos de expansão do site nos próximos anos. O objetivo é, no futuro, expandir a comparação de produtos financeiros para outros canais além do imobiliário. Por falar em expansão, o Canal do Crédito trabalha para lançar outra versão do site, com dados que passarão a abranger o mercado imobiliário da América Latina. “Precisamos crescer e diversificar, pois, quando os concorrentes surgirem, temos que estar bem posicionados”, ressalta Prata. O Canal de Crédito não quis divulgar seus dados financeiros.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Imobiliário Confrapar Canal de Crédito plataforma virtual Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Guerreira na web
Próxima matéria
Brincadeira lucrativa



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Guerreira na web
  Em 2011, o portal Bolsa de Mulher soprou 11 velinhas. Pode não ser muito tempo de vida para uma companhia de um setor...