Por 


Muita coisa mudou depois do terremoto financeiro desencadeado pela quebra do banco Lehman Brothers. Para o mercado de capitais brasileiro, embora os impactos não tenham sido visíveis como no norte-americano ou no europeu, restou um punhado de ajustes e lições. Em um conjunto de três reportagens, que você confere nas próximas páginas, contamos histórias de como gestores de recursos, bancos de investimento e companhias abertas adaptaram-se ao mundo pós-crise — e encontraram novas perspectivas para os seus negócios.

Entre vivos e feridos
Depois da fuga de aplicadores e da ameaça de quebradeira, gestoras independentes recuperam patrimônio

Às cotoveladas
O cenário mudou para os bancos de investimento que atuam no Brasil. Eles agora brigam por espaço em um mercado mais pulverizado e concorrido

Os melhores na mesa
Depois dos vexames com derivativos, companhias preferem conselheiros com mais tempo para se dedicar do que status – e, adivinhem, não tem sido fácil encontrar



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Entre vivos e feridos
Próxima matéria
Uma questão de valores




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Entre vivos e feridos
Os últimos 12 meses foram prova de fogo para as gestoras de recursos independentes. Ao tentar oferecer produtos mais sofisticados...