Petrobras: decisão rápida ou informação dissimulada?

7/11/2014

Relações com Investidores/Seletas / 7 de novembro de 2014
Por 


O burburinho em torno do aumento do preço dos combustíveis, anunciado ontem pela Petrobras, conseguiu arrefecer o interesse do mercado pelas denúncias de corrupção que assolam a companhia. O reajuste era mais do que esperado. A empresa de capital misto compra petróleo no mercado internacional para revender no Brasil. Os valores praticados aqui, no entanto, não compensam o custo da transação. O prejuízo vem sendo absorvido pela Petrobras, e por seus acionistas, num esforço do governo para conter a inflação. O uso político-econômico da companhia é controverso, assim como a sua forma de se comunicar com o mercado.

No dia 4, terça-feira, o conselho de administração da Petrobras finalmente aprovou o reajuste dos preços. Na saída do encontro, ao ser questionada por jornalistas, a presidente Maria das Graças Foster foi enfática ao declarar que “aumento não se anuncia, se pratica”. A partir daí, começaram as especulações sobre a dosagem que seria usada.

Diante do intenso noticiário e das poucas informações oficiais, a Petrobras foi questionada pela BM&FBovespa. Em comunicado ao mercado arquivado na CVM no dia 5, às 21h20, a área de relações com investidores (RI) foi clara ao afirmar que, até então, não havia “data ou percentual definidos para o reajuste no preço da gasolina e do diesel”. Além disso, informou que a orientação do conselho tem sido manter os níveis de preços.

comunicado dia 05.11

Menos de 24 horas depois, às 19h13 do dia 6, a área de RI arquivou um novo comunicado na CVM. Sob o título “Reajuste de preços”, a Petrobras anunciou aumentos de 3% e 5%, para gasolina e diesel, respectivamente. Os novos valores começaram a vigorar hoje.

comunicado dia 06.11

O curioso é que, entre a divulgação dos dois comunicados, o conselho de administração da Petrobras não se reuniu — apesar de sua orientação pela continuidade dos preços ter sido abandonada em poucas horas.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 36 00

Mensal

Acesso Digital
-
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Completa

R$ 42 00

Mensal

Acesso Digital
Edição Impressa
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Corporativa

R$ 69 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 15% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Clube de conhecimento

R$ 89 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 20% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital | Acervo de Áudios



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Petrobras CAPITAL ABERTO mercado de capitais fato relevante comunicado ao mercado combustíveis Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Com retorno médio de 17,1%, indústria de private equity busca formas de ter mais rentabilidade
Próxima matéria
Anúncio desmoraliza nova diretoria de governança da Petrobras e lança debate sobre intervenção



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Com retorno médio de 17,1%, indústria de private equity busca formas de ter mais rentabilidade
O retorno anual médio dos fundos de private equity entre 2010 e 2012 foi de 17,1%. "É uma taxa igual à dos melhores retornos...
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}