Investidores fazem questão do relatório anual impresso

Bimestral/Relações com Investidores/Internacional/Edição 98 / 1 de outubro de 2011
Por 


O Financial Reporting Council (FRC), entidade que regula as práticas de auditoria e de contabilidade no Reino Unido, bem que tentou livrar as companhias da obrigação de imprimir os relatórios anuais. Em janeiro, colocou em audiência pública uma proposta que autorizava a publicação desses documentos apenas no formato online. O argumento era que, em um mundo cada vez mais plugado na internet e nos meios eletrônicos, os relatórios impressos eram um “enorme desperdício de papel, tempo e dinheiro”. A sugestão, no entanto, não agradou os investidores. As queixas à proposta do FRC foram tantas que o órgão anunciou, em setembro, o abandono da iniciativa.

O principal argumento dos investidores era que a leitura na tela do computador é muito cansativa, independentemente da idade do leitor. “Para muitos investidores, inclusive eu, é muito mais fácil ler um relatório impresso”, disse Simon Laffin, ex–presidente da operadora líder de restaurantes e pubs no Reino Unido Mitchells & Butlers, ao Financial Times. Para Laffin, que preside hoje o comitê de auditoria de outras duas companhias abertas, uma lição–chave da economia digital é que as pessoas não querem tudo online: “O que elas desejam é que as informações sejam expostas em uma variedade de formatos que combine com o seu estilo de vida”.

A Associação de Acionistas do Reino Unido, por sua vez, declarou que não há substituto para o documento impresso, principalmente quando o leitor quer passar rapidamente de uma página para outra, comparar itens relacionados e fazer anotações. A Associação de Gestores de Investimento do país afirmou que as cópias em papel são também um importante instrumento de proteção dos investidores. Como não podem ser alteradas posteriormente, estão livres de manipulação.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Relações com investidores Balanços e Relatórios Anuais Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Índia corta imposto sobre compra e venda de ações
Próxima matéria
Muito risco, pouco resultado



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Índia corta imposto sobre compra e venda de ações
Os investidores indianos receberam uma boa notícia no mês de setembro: o governo local considera reduzir ou até mesmo...