Primeiro ETF de small caps brasileiras estreia na Nyse

Captação de recursos / Temas / Internacional / Edição 70 / 1 de junho de 2009
Por , e


O apetite dos investidores estrangeiros por ativos brasileiros voltou. Prova disso foi a estreia, na Bolsa de Valores de Nova York (Nyse), do primeiro exchange traded fund (ETF) focado em small caps verde-amarelas: o Market Vectors Brazil Small-Cap Index ETF. O fundo tem como objetivo acompanhar o índice MVRIO, composto por empresas sediadas e listadas no Brasil, ou com pelo menos 50% de suas receitas originadas aqui. No dia 14 de maio, as cotas do fundo começaram a ser negociadas no segmento de listagem para pequenas e médias da Nyse, a Nyse Arca.

De acordo com a Van Eck, gestora de recursos responsável pelo fundo, a carteira dá aos aplicadores a chance de investir em setores promissores, como construção e consumo, e evita a exposição a segmentos tradicionalmente dominantes, como commodities (veja quadro).

Dentre os motivos para a escolha do País, estão a baixa dependência de financiamentos externos, a acumulação de reservas dos últimos anos e a relativa blindagem frente às oscilações de preço dos recursos energéticos.

A crise mundial, na avaliação da Van Eck, também ajudou a criar boas oportunidades, especialmente em decorrência da desvalorização das ações. Mas o cenário traçado pela gestora não se restringe a fatores positivos. Ela chama a atenção de seus investidores para o fim do mandato do presidente Lula em 2010 — sem reeleição —, a possibilidade de enfraquecimento das exportações, a necessidade de reforma fiscal e a maior volatilidade, natural quando se trata de small caps.



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  mercado internacional EUA Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Aportes de emergentes fazem bem a empresas do primeiro mundo
Próxima matéria
Direito de indicar nomes ao board pode virar lei nos EUA




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Aportes de emergentes fazem bem a empresas do primeiro mundo
De olho nas oportunidades do mercado global, muitas multinacionais com sede em países emergentes, como China e Índia — nações...