Previ reportará sustentabilidade de investidas

Governança Corporativa/Temas/Edição 74 / 1 de outubro de 2009
Por 


Em 1998, a Previ, fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil, foi a primeira instituição do gênero a lançar um balanço social. A iniciativa durou até 2004, quando foi suspensa para a avaliação de um novo modelo. Agora, a Previ já sabe o que quer. Em 2010, pretende apresentar aos seus stakeholders um relatório anual de sustentabilidade.
A intenção é prover informações sobre cada uma das 80 investidas do fundo de pensão, além da própria Previ, conforme as diretrizes do Global Reporting Initiative (GRI), modelo já utilizado por diversas companhias brasileiras.

O projeto está alinhado à política de responsabilidade socioambiental da fundação, lançada em julho deste ano. Segundo Ana Esteves, consultora da AMCE Negócios Sustentáveis e responsável por ajudar o fundo de pensão na elaboração da política, o relatório de sustentabilidade mostra o amadurecimento da Previ no assunto. “Ao elaborar esse material, ela passa a relatar de forma abrangente suas ações socioambientais e abre espaço para questionamentos da sociedade”, afirma. “A fundação tem a força de um grande investidor e, com essa iniciativa, pode levar a importância da sustentabilidade para dentro de outras organizações.”

Além disso, o novo projeto exigirá da Previ uma interlocução muito maior com seus stakeholders, já que um dos princípios que torna o GRI tão singular é o da relevância da informação, chamada por eles de materialidade. Assim, antes de definir o conteúdo do relatório, é preciso entender o que os públicos estratégicos julgam mais importante e querem encontrar no material. Na Previ, isso inclui falar não só com os stakeholders que mantêm relacionamento com o fundo de pensão, mas também com os de suas empresas participadas.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Banco do Brasil Previ Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Menos números e mais estratégia para o varejo
Próxima matéria
À mercê do pré-sal



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Menos números e mais estratégia para o varejo
Os investidores pessoa física de Curitiba ganharam, no mês passado, um canal de diálogo direto com as principais companhias...