Parcerias de valor

A abordagem empreendedora dos fundos de private equity e a força da economia local têm ampliado os resultados na América Latina

Gestão de Recursos/Ernst & Young Terco/Informe/Especial Entrevistas - Private Equity/Temas / 1 de agosto de 2012
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


 

O que faz da América Latina e, especificamente, do Brasil regiões observadas com muita atenção por investidores do mundo todo? Um dos principais motivos é o potencial de oferecer resultados. De acordo com o estudo Dynamic growth: value creation in Latin America, feito pela Ernst & Young e a Emerging Markets Private Equity Association (Empea), os gestores de fundos de private equity alcançaram um retorno quase duas vezes maior na América Latina do que nos Estados Unidos e na Europa nos últimos cinco anos. Os bons resultados são frutos, em boa parte, da resiliência da economia latino-americana ante os solavancos da crise internacional – e, numa medida semelhante,da dedicação dos gestores em melhorar operacionalmente as empresas como formade alavancar o crescimento. As companhias da América Latina que receberam aportes desses fundos registraram, em média, um aumento de 45% nos resultados medidos pelo Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização).Na Europa e nos Estados Unidos, esse índice chegou a 13,5%.

“A oportunidadepara as empresas que conseguiram atrairos fundos de private equity é obter um aliado para o crescimento.”

O fenômeno é uma boa notícia para os investidores que escolheram a região – e uma notícia melhor ainda para os mercados locais. Em 2011, a América Latina atraiu US$ 8,4 bilhões em capital comprometido. Desse montante, a maior parte – US$ 7 bilhões – veio para o Brasil.

A oportunidade para as empresas que conseguiram atrair os fundos de private equityé obter um aliado para o crescimento. “Um ponto-chave apontado por nosso estudo é a importância dos fundos de private equity para a expansão das empresas de médio porte”, diz Carlos Asciutti, sócio-líder de Private Equity da Ernst & Young Terco. “Na América Latina, os gestores têm se debruçado sobre o operacional das companhias em que investem, num esforço para torná-las mais eficientes e capazes de alcançare suportar grandes taxas de crescimento.”

É esse modelo que tem ajudado os investidores a garantir resultados. Trata-se de empresas com um grande potencial a ser explorado em seus negócios principais – e que atuam em mercados igualmente promissores. De acordo com o estudo, 80% da expansão do Ebitda das companhias que contam com investidores na América Latina veio do crescimento orgânico das receitas. Comparando-se com o mercado de Estados Unidos e Europa,fica clara a diferença. Lá, o crescimento orgânico das receitas responde por 44%do aumento no Ebitda.

O estudo aponta que a abordagem empreendedora adotada pelos gestores dos fundos de private equity na América Latina deve servir como modelo para os mercados maduros. Até então, nesses países, o mais comum era que os investidores buscassem resultados por meio de operações financeiras – e não pela reestruturação operacional dos negócios. “Com a crise, surgiu a necessidade de mudar de estratégia”, afirma Asciutti. O Brasil também tem sua lição de casa. “Há muito a fazer para garantir a evolução do mercado de private equity no longo prazo”, observa Asciutti. “É preciso trabalhar para a evolução dos mercados de capitais e de dívidas, para que os fundos possam diversificar a estratégia e ampliar as oportunidades de saída.”


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Ernst & Young e Terco Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Technopolis abre portas para pequenos investidores
Próxima matéria
Amec premia melhor operação para os minoritários



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Technopolis abre portas para pequenos investidores
Focada em oferecer ambientes multiusos para empresas, a companhia finlandesa Technopolis, localizada em Helsinki, quer incrementar...