Pesquisar

|

|

Pesquisar
Close this search box.
O melhor dos tempos?

Se você se assustou com a capa preta desta edição e com o tom de alerta da chamada principal, aí vai um consolo: o espírito deste número da CAPITAL ABERTO está, na verdade, tão azul quanto o céu que marcou a capa de janeiro do ano passado. Na matéria de projeções setoriais, a partir da página 12, corremos o risco de o leitor se cansar de tantas expectativas de crescimento do consumo, da renda, do crédito, dos investimentos, do País. O otimismo se mantém, apesar das medidas restritivas anunciadas pelo governo federal para segurar a inflação. Para os investidores de Bolsa, o único lamento é o fato de boa parte dessa alegria, é claro, já estar computada nos preços das ações.

Até no setor imobiliário, cuja valorização estupenda dos últimos anos começa a deixar os investidores mais experientes com uma pulga atrás da orelha, ainda tem gente prevendo mais alguns anos de crescimento. O aumento da renda sugere que há uma demanda potencialmente capaz de sustentar a oferta e os preços elevados.

O pacote do Ministério da Fazenda para estimular o financiamento de longo prazo das empresas, divulgado em dezembro, coroou o cenário. Há muitos anos se diz que as captações com debêntures não deslancham por falta de um ambiente secundário de negociações ativo. Agora, o governo decide liberar uma parte do compulsório dos bancos para formar um fundo que dará liquidez a esses títulos. A medida soa como música nos ouvidos dos agentes do mercado. Parece até mentira.

Os problemas, por sua vez, se sofisticam. O assunto não é mais a importância de as companhias abertas dialogarem com seus acionistas, mas sim a dificuldade que as modernas estruturas montadas pelos bancos com derivativos podem adicionar a esse processo. Na reportagem sobre governança desta edição, em vez de falarmos da tendência de os conselhos de administração profissionalizarem a sua atuação, tratamos de um tema que está alguns degraus acima desse: a delicada definição dos limites de responsabilização dos conselheiros.

Parece que as soluções e as dificuldades do mercado de capitais estão se tornando mais complexas e instigantes. Uma ótima notícia para quem, como nós, vive de organizar e transmitir essas reflexões a quem possa interessar. Um ótimo começo de ano para todos.


Para continuar lendo, cadastre-se!
E ganhe acesso gratuito
a 3 conteúdos mensalmente.


Ou assine a partir de R$ 9,90/mês!
Você terá acesso permanente
e ilimitado ao portal, além de descontos
especiais em cursos e webinars.


Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o limite de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês.

Faça agora uma assinatura e tenha acesso ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais


Ja é assinante? Clique aqui

Acompanhe a newsletter

Leia também

mais
conteúdos

APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.