Notas promissórias são opção rápida e curta durante a crise

Captação de recursos/Temas/Edição 63 / 1 de novembro de 2008
Por , e


Em momentos de alta volatilidade, as notas promissórias se destacam. Até outubro, 28 ofertas desse título ganharam registro na Comissão de Valores Mobiliários (CVM). O volume alcança aproximadamente R$ 17 bilhões, ante os R$ 9,7 bilhões dos 20 lançamentos computados em 2007.

O prazo máximo de 360 dias e a estruturação simples tornam as notas promissórias o caminho ideal para empresas que necessitam de captação rápida. “Em momentos turbulentos como esse, somente acessa o mercado de dívida quem precisa alongar o perfil de endividamento ou cumprir com acordos”, observa o superintendente geral da Andima, Paulo Eduardo Sampaio. É o caso da Cosan, que decidiu, no dia 30 de outubro, captar US$ 500 milhões em notas promissórias. O objetivo: cumprir o acordo, feito no início do ano, de US$ 800 milhões com a Esso para comprar a rede de postos da empresa no Brasil.

Com o objetivo de liquidar sua primeira emissão de notas promissórias, a Alupar, do setor elétrico, levantou R$ 140 milhões, por um prazo de 90 dias. O prêmio pago foi salgado: 148% do CDI. “O mercado de notas promissórias está se recalibrando. É um dos reflexos da crise”, afirma Sampaio. Do início de setembro até o começo de outubro, não houve registro desses papéis na CVM.

A hibernação foi mais forte no mercado de debêntures. Em setembro, nenhuma operação foi registrada, e apenas duas passaram pela CVM em outubro. O total, de R$ 560 milhões, é menos da metade do R$ 1,190 bilhão que as notas promissórias levantaram no mesmo período.

No acumulado do ano, a dívida de longo prazo também perde. Excluindo-se as emissões das empresas de leasing, apenas R$ 6 bilhões em debêntures foram registrados em 2008, até outubro. Ano passado, no mesmo período, esse número alcançava R$ 13 bilhões, enquanto as notas promissórias movimentavam apenas R$ 9,7 bilhões. O fato é que a exigência por prêmios altos desestimula captações maiores. “A empresa prefere dívidas de curto prazo para não se comprometer com remunerações elevadas por muito tempo”, diz Sampaio.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Cosan Captações de recursos Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
O que se passa lá dentro?
Próxima matéria
Nova 202 reforçará responsabilidades dos administradores



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
O que se passa lá dentro?
Volta e meia, a governança corporativa praticada por companhias brasileiras é posta na berlinda pelos mais diferentes personagens....