Regras para OPA mudam na Itália

Itália diminui gatilho de OPA e dificulta aquisições hostis em empresas grandes

Legislação e Regulamentação/Internacional / 8 de setembro de 2014
Por 


v_final_site_menorNa Itália, o gatilho para que um investidor seja obrigado a lançar uma oferta pública de aquisição de ações (OPA) agora varia de acordo com o tamanho da companhia. Um decreto publicado no fim de agosto determinou significativas mudanças nas regras.

Sócios de empresas grandes que ultrapassarem 25% do poder de voto terão que fazer uma OPA. Antes, o gatilho era de 30%. Se a companhia tiver um controlador com mais de 50% do capital, o limite máximo se mantém em 30%.

Já as pequenas e médias empresas (aquelas com até 250 trabalhadores, segundo as diretrizes italianas) terão mais flexibilidade: poderão escolher qualquer valor para gatilho entre 25% e 40%. Para as que não fizerem nenhuma previsão em seu estatuto social, valerá o percentual de 30%. A legislação italiana permite a existência de papéis com poder político diferenciado: existem ações com direito a dois ou três votos. Isso será levado em consideração na hora de calcular se o limite foi ultrapassado.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CAPITAL ABERTO mercado de capitais OPA Itália poder de voto gatilho Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
O “milagre” peruano
Próxima matéria
Portugueses aprovam fusão de Portugal Telecom e Oi



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
O “milagre” peruano
Acaba de ser anunciada pelo presidente do Banco Central de Reserva do Peru (equivalente ao nosso BC) a taxa de investimento...