Proteção aos dedo-duros

Comissão Europeia quer impedir que delatores sejam alvo de represálias

Legislação e Regulamentação/Internacional / 4 de maio de 2018
Por 


Ilustração: Rodrigo Auada

Pessoas que delatarem fraudes, evasão de divisas, vazamento de dados e outros crimes e contravenções financeiras na Europa terão que receber proteção contra retaliações, de acordo com proposta apresentada em abril pela Comissão Europeia.

Se a ideia for aprovada pelos países membros da União Europeia, as empresas terão de criar canais para receber denúncias de funcionários e protegê-los de represálias como demissão, rebaixamento profissional ou processos. Atualmente, apenas 10 dos 27 países europeus preveem algum tipo de proteção a delatores corporativos.

No mês passado, o CEO do Barclays, Jes Staley, foi condenado a pagar multa depois de tentar descobrir por meio do sistema de segurança do banco quem foi o autor de uma denúncia enviada ao conselho de administração. O valor da punição não foi revelado pelas autoridades, mas acionistas que tomaram conhecimento do montante o consideram baixo. Apesar do papelão, Staley se manteve no cargo.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  fraude delação contravenção financeira Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Investimento controverso
Próxima matéria
CVM decide que área técnica não pode fixar preço de OPA da CPFL Renováveis



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Investimento controverso
Famoso gestor de fundos ativos de países emergentes, Mark Mobius não desgosta dos ETFs, fundos negociados em bolsa...
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}