O administrador tem de provar

Delaware muda entendimento sobre a business judgement rule

Legislação e Regulamentação/Internacional / 14 de janeiro de 2018
Por 


Ilustração: Rodrigo Auada

Ilustração: Rodrigo Auada

Na corte do estado americano de Delaware, considerada a mais avançada em termos de direito corporativo, a business judgement rule vale para quase tudo. Ela parte do princípio de que os administradores da companhia cumpriram seu dever fiduciário de agir no melhor interesse da sociedade — e não de acionistas específicos — e que, portanto, o ônus de provar eventual conflito de interesses ou intenção de beneficiar um acionista é do litigante. Mas em recapitalizações de companhias com controle definido, principalmente aquelas com duas classes de ações, a coisa vai ficar mais complicada para a administração.

Uma decisão de dezembro passado determinou que, nesses casos, será aplicada a entire fairness doctrine. Em resumo, ela inverte o ônus da prova em situações em que é possível determinar que os administradores ou o conselho não agiram com independência.

A medida surgiu em um processo movido por acionistas contra a NRG Yield, empresa de energia que fez uma oferta inicial de ações (IPO) em 2013 e tinha duas classes de ações, com igual poder de voto. Em maio de 2015, a companhia fez um novo aumento de capital em que emitiu ações de uma terceira classe, com apenas um centésimo do poder de voto. A empresa deixou claro que pretendia, com isso, impedir a erosão do poder de voto dos controladores. A corte não deu ganho de causa aos acionistas, mas ainda assim a decisão é considerada relevante por mudar a forma como casos desse tipo serão analisados e julgados.

 


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Internacional Delaware business judgement rule direito corporativo Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
O que esperar de 2018?
Próxima matéria
História dos unicórnios



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
O que esperar de 2018?
Histórico é o adjetivo que melhor qualifica o ano de 2017 para a modalidade de crowdfunding dedicada ao financiamento...