Efeitos da MiFID II chegam à região Ásia-Pacífico

Companhias da região têm recebido menos cobertura dos analistas de bancos

Legislação e Regulamentação / Internacional / 15 de junho de 2018
Por 


Ilustração: Rodrigo Auada

Embora a MiFID II — sigla em inglês para a segunda diretiva europeia de mercado para instrumentos financeiros, em vigor desde janeiro deste ano — não se aplique diretamente fora do bloco econômico, uma pesquisa da Australasian Investor Relations Association (Aira) descobriu que o novo regulamento está forçando companhias da região da Ásia e do Pacífico a encontrar novas maneiras de se comunicar globalmente.

Uma pesquisa feita com 54 companhias da região — a maioria listada em bolsas de valores de Austrália e Nova Zelândia — mostrou que os bancos estão se dedicando menos ao trabalho de cobertura de empresas, que dá origem aos relatórios de análise. Antes do MiFID II, era comum as gestoras de recursos receberem esse material “gratuitamente”, em troca da utilização dos serviços de negociação dos bancos de investimento. Mas desde que a regra entrou em vigor esse serviço precisa ser pago, pela asset ou pelo cotista do fundo. Assim, a cobertura de empresas pelas instituições financeiras passa a depender de demanda. A questão é: de quantos comentários de analistas sobre os resultados trimestrais de uma empresa o buy side realmente precisa?

Leia também: Sob as regras da MiFID II

Diante desse cenário, as empresas pesquisadas estão contratando internamente profissionais para manter e ampliar o engajamento com os investidores. De acordo com o levantamento, 40% delas disseram ter menos analistas cobrindo seus negócios atualmente em comparação com o período de 6 a 18 meses anteriores. Além disso, 47% afirmaram que a qualidade do trabalho de research feito pelos bancos piorou. Uma possível explicação seria a migração dos analistas que trabalham nessas instituições para casas de análise independentes.

O perigo é, com essa mudança, o investidor não ter informação de qualidade para embasar suas decisões. Aumenta, portanto, o desafio dos profissionais de relações com investidores, que terão que esforçar mais para manter os investidores bem informados. Não à toa 54%, das companhias pesquisadas concordam que precisam aprimorar a forma como engajam e se comunicam.

Leia também: Sobrou para o investidor




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  MiFID II Ásia-Pacífico Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Gustavo Franco e Roberto Giannetti travam embate
Próxima matéria
Empiricus declara guerra à CVM



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Gustavo Franco e Roberto Giannetti travam embate
O clima pré-eleitoral tem aquecido o debate de temas que envolvem convicções econômicas. Na segunda-feira, dia 11, Gustavo...