Dever fiduciário extra-contratual de instituição líder de emissão

Jurisprudência Mercado de Capitais / Legislação e Regulamentação / Edição 23 / 1 de julho de 2005
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


Decisão da Corte de Recursos de Nova York reconhecendo dever fiduciário de instituição líder de distribuição pública primária de ações. Data: 7 de Junho de 2005

Trata-se de decisão da Corte de Recursos de Nova York, de 7 de Junho de 2005, acerca do caso EBC 1, Inc. vs. Goldman, Sachs & Co., que reconheceu a existência de dever fiduciário para instituição líder em uma distribuição pública de valores mobiliários.

Em maio de 1999, realizou-se o lançamento das ações da distribuição pública primária da eToys que teve como Líder a Goldman Sachs & Co. O preço inicial foi estabelecido em US$ 20,00 por ação, tendo este, em seu primeiro dia de negociação, alcançado US$ 79,00. A partir de então o preço das ações começou a cair progressivamente, ficando abaixo de US$ 20,00. Em março de 2001 a eToys faliu.

Em conseqüência, a EBC – comitê de credores da eToys – processou a Goldman Sachs, sob o argumento de que a eToys tinha acreditado na expertise e nos conselhos do líder para precificar suas ações. Além disso, alegou que a Goldman Sachs, ao aconselhar o preço das ações, não declarou que estava em conflito de interesses, uma vez que seus clientes estavam obrigados a devolver uma parte dos lucros que obtivessem com a venda das ações que adquirissem na distribuição pública. Ou seja, que seria vantajoso para a Goldman que o preço da oferta fosse baixo, pois assim seus clientes obteriam maiores ganhos e, consequentemente, maior seria seu pagamento. Dessa forma, a Goldman Sachs teria descumprido seu dever fiduciário de consultor e quebrado a relação de confiança entre as partes.

O Goldman Sachs contra-argumentou no sentido de que (i) não pode existir nenhuma obrigação entre contratantes qualificados que não esteja prevista no contrato; (ii) em contratos de distribuição o preço é negociado em comum acordo entre as partes; e (iii) a responsabilidade do líder é limitada às suas funções – que não incluem a de estabelecer preço.

A Corte reconheceu a quebra de dever fiduciário por parte da Goldman Sachs, argumentando, basicamente, que este assumiu um dever extra-contratual ao aconselhar o preço das ações. Ou seja, que a relação de confiança criada com a Goldman, no que diz respeito ao preço das ações, é independente do contrato.


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Corte de Recursos de Nova York dever fiduciário Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Doação de ações em tesouraria para completar frações
Próxima matéria
Due Diligence Proteção para o underwriter e o investidor




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Doação de ações em tesouraria para completar frações
Consulta da Baumer S.A. sobre utilização de ações mantidas em tesouraria para doação aos acionistas. Processo CVM RJ 2005/2791...