Canadá pede transparência às consultorias de voto

Legislação e Regulamentação / Internacional / Edição 130 / 1 de junho de 2014
Por 


A Canadian Securities Administrators (CSA), reguladora do mercado de capitais canadense, publicou uma série de recomendações para as consultorias de voto. O documento, que estará em audiência pública até o fim de junho, prevê que as empresas do ramo atuantes no país — principalmente a Glass Lewis e a ISS, detentoras de 97% desse mercado no mundo — sejam mais transparentes em relação às suas políticas de voto, à forma como mantêm contato com as companhias e sobre potenciais conflitos de interesse que envolvam seu trabalho.

Além disso, a CSA sugere que as consultorias produzam um código de conduta e controles internos e, regularmente, revisem seus processos para garantir a efetividade deles. Também pede que as recomendações de voto sejam elaboradas levando-se em consideração o contexto do país, e não apenas normas gerais.


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  ISS CAPITAL ABERTO mercado de capitais Canadá CSA Glass Lewis consultoria de voto Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Neozelandeses não compreendem documentação de oferta
Próxima matéria
Gestores de recursos ganham cada vez mais




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Neozelandeses não compreendem documentação de oferta
Uma pesquisa feita pela Bolsa de Valores da Nova Zelândia e pela Financial Markets Authority (FMA), reguladora do país,...