CAF recebe primeiras adesões e promove ajustes

Legislação e Regulamentação/Adiante/Edição 126 / 1 de fevereiro de 2014
Por 


A BM&FBovespa e a Azul Linhas Aéreas foram as duas primeiras empresas a assinar o termo de adesão ao Comitê de Aquisições e Fusões (CAF), órgão criado em agosto de 2013. O CAF é um autorregulador independente que promete garantir o tratamento igualitário dos acionistas em reorganizações societárias e operações de transferência de controle.

O termo — assinado em 21 de janeiro na sede da Anbima, uma das entidades mantenedoras da iniciativa — é um sinal de que as companhias promoverão os ajustes necessários à sua efetiva adesão ao CAF. No caso da Azul, a consumação depende de obter o registro de companhia aberta, pois o comitê só avaliará operações de empresas de capital aberto. A aérea teve sua oferta inicial rejeitada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), mas mantém o plano de fazer um IPO.

Paralelamente à chegada das primeiras companhias, o CAF reformou seu regulamento. Um dos ajustes permitirá que o ofertante da aquisição de controle consulte o comitê previamente sobre a operação mesmo sem a concordância da empresa-alvo, seja ela aderente ou não. Consultas por parte dos envolvidos na operação também poderão ser feitas para ofertas já divulgadas, ainda que a companhia não tenha aderido. Um exemplo prático seria a fusão de Oi e Portugal Telecom. Os acionistas poderiam solicitar o parecer do CAF por conta própria — desde que pagassem a taxa de consulta, que varia de R$ 40 mil a R$ 500 mil, conforme o porte da companhia.

Ilustração: Eric Peleias


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  fusões e aquisições bmfbovespa CAPITAL ABERTO mercado de capitais Autorregulação CAF Azul Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
CVM propõe ofertas de ações restritas a qualificados
Próxima matéria
Minoritários obtêm primeira vitória no caso Oi-Portugal Telecom



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
CVM propõe ofertas de ações restritas a qualificados
A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) deu o pontapé para que as ofertas de ações e de debêntures conversíveis em ações...