- Capital Aberto - https://capitalaberto.com.br -

A passos lentos

 

No início de abril de 2013, completou um ano a iniciativa que ampliou o acesso de empresas privadas ao mercado de capitais dos Estados Unidos: o Jobs Act, abreviatura para Jumpstart Our Business Startups Act. A iniciativa, aprovada pelo governo americano em 5 de abril de 2012, busca promover a criação de empregos e a expansão da economia nos Estados Unidos por meio do acesso de companhias emergentes de rápido crescimento — e receita de até US$ 1 bilhão — ao mercado de capitais.

Uma análise do primeiro ano da aprovação do Jobs Act constata que a iniciativa ainda está no seu estágio inicial, e o mer cado de IPOs (ofertas públicas iniciais de aç ões) nos Estados Unidos não demonstrou um aumento significativo. Em 2012, 133 companhias efetuaram IPO, comparado a 124 em 2011 — desse total, respectivamente 114 e 113 empresas tinham receita menor que US$ 1 bilhão. Desde a implementação do Jobs Act, o mercado das aberturas de capital nos EUA tem sido dominado pelas empresas emergentes de rápido crescimento, que representaram 83% das ofertas iniciais de ações desde abril de 2012. “É importante considerar que o mercado de IPOs é altamente sensível a oscilações na economia, que ainda está se recuperando da crise econômica global de 2008”, diz Marcelo Suhara, sócio de Capital Markets da Ernst & Young Terco.

“Investidores institucionais dos Estados Unidos continuam um tanto céticos em relação à capacidade do Jobs Act de ampliar o número de IPOs no país”

Em 2012, as companhias que abriram capital nos Estados Unidos captaram menos recursos do que as que o fizeram um ano antes, embora tivessem mais receita: elas obtiveram em média US$ 130,9 milhõe s (comparado a US$ 174,0 milhõe s em 2011), c om uma receita média US$ 112,7 milhõe s (comparado a US$ 88,6 milhõe s em 2011). Is so demonstra um perfil de companhias maiores em 2012, apesar de o Jobs Act encorajar o acesso ao mercado de ações para empresas emergentes e de rápido crescimento.

Uma pesquisa conduzida pela Ernst & Young global constatou que, apesar da confiança no crescimento, investidores institucionais dos Estados Unidos continuam um tanto céticos em relação à capacidade do Jobs Act de ampliar o número de IPOs no país, enquanto investidores institucionais de outros países mostraram-se mais otimistas em relação aos potenciais benefícios.

“A percepção de investidores institucionais fora dos Estados Unidos está relacionada à flexibilização do acesso das companhias de pequeno e médio porte ao mercado americano. O Jobs Act posterga a implementação da Lei Sarbanes-Oxley (SOX) 404 para controles internos de relatórios financeiros e a redução de períodos a serem auditados para as empresas que se qualificam no Jobs Act. Isso permite uma opção de acesso a empresas de pequeno e médio porte que não apresentem tamanho e liquidez para o mercado de ações no seu país de origem”, diz Marcelo Suhara.