Iosco quer mais concorrência entre as auditorias



A International Organization of Securities Commissions (Iosco), entidade que congrega reguladores de mercados de valores mobiliários do mundo todo, está preocupada com a concentração dos serviços de auditoria das companhias abertas nas mãos de poucas empresas. Para estimular a entrada de mais concorrentes no setor, a organização abriu a discussão sobre a permissão para que não contadores sejam proprietários de auditorias.

A Iosco vê riscos no “oligopólio” formado pelas “big four” (Deloitte, Ernst & Young, KPMG e PricewaterhouseCoopers), devido ao dano que a eventual falência de uma delas pode causar no mercado. Um relatório da entidade afirma que muitas companhias abertas contratam algumas, ou todas as quatro firmas, para a prestação de serviços não relacionados a auditoria; a falta de uma delas limitaria ou até impediria a escolha de alternativas de boa qualidade.

A saída estaria no estímulo à entrada de novos participantes nesse seleto mercado, através do fim de regras que limitam a propriedade de auditorias por não contadores, existentes em grandes mercados, como Estados Unidos, União Europeia e Japão. “Essa mudança possibilitaria uma maior disponibilidade de capital humano qualificado, contribuindo para a melhoria na qualidade dos serviços de auditoria e governança”, diz o relatório.

O relatório também cogita permitir o acesso dessas firmas à poupança pública. “Com a possibilidade de se tornarem companhias abertas, esses novos participantes terão mais força para investir e competir com as big four”, diz.

O documento também alerta para possíveis efeitos adversos de uma mudança. Um deles seria a busca prioritária por resultados, afetando investimentos nas áreas de treinamento e pesquisa. “Apesar de trazer benefícios financeiros no curto prazo, tais medidas terão efeitos negativos na qualidade da auditoria no longo prazo”, pondera o relatório.

Outro ponto contrário levantado pelo relatório é que a permissão pode gerar conflito de interesses entre o auditor e seus clientes. “Se uma empresa de auditoria for de capital aberto, há o risco de algum cliente também ser seu acionista”, diz o documento. A audiência pública termina no dia 1º de dezembro.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  legislação societária Gestão de riscos Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Ativismo minoritário melhora os preços das ações, diz estudo
Próxima matéria
Consultoria atesta estagnação da governança europeia



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Ativismo minoritário melhora os preços das ações, diz estudo
Não é novidade que grandes mudanças nos rumos das companhias — aquisições, por exemplo — são acompanhadas de variações...