Incentivo bem-vindo

Com o fim do contrato predefinido, é mais provável que auditorias se mantenham independentes

Captação de recursos/Bimestral/Temas/Edição 90 / 1 de fevereiro de 2011
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


Tal como a contabilidade, a atividade da auditoria também nasceu dentro das empresas. Há evidências do que chamamos de auditoria que remontam às guildas britânicas (corporações de ofício que procuravam defender interesses de classe) no século 14, muito antes da estruturação do mercado de capitais e de sua regulação. Portanto, ao contrário do que possam acreditar alguns, a auditoria não é consequência da regulação, e sim, do problema clássico da governança: assimetria informacional e conflito de interesses.

A ideia de um terceiro que atue sobre a informação contábil é compreensível à luz do desenvolvimento do capitalismo. Nesse contexto, parece bastante razoável a teoria de que, para justificar sua existência, o auditor deve ser competente, a fim de detectar eventuais falhas, e independente, para reportá-las aos usuários de seu relatório.

São debatidas há tempos as ameaças à independência do auditor, como o tempo de relacionamento contínuo com seu cliente e a eficácia da autorregulação no mercado de auditoria. Já nos anos 70, o Senado norte-americano levantou a preocupação sobre os riscos de exposição prolongada do auditor a uma mesma empresa, e não tardaram a surgir estudos acadêmicos sobre a questão.

De um lado, pesquisadores buscaram construir suas hipóteses fundamentando-as em conceitos da psicologia, como a dependência e a confiança adquiridas no tempo. De outro, destacaram-se os cientistas que estudaram os incentivos econômicos do auditor em ser ou não independente. Segundo essa visão, ele optará por ser mais independente se avaliar que as perdas superam os benefícios da hipótese de não sê-lo.

Nesse cenário, a rotação obrigatória das firmas de auditoria — nascida no Brasil nos anos 90 como resposta aos diversos episódios de falências e aquisições hostis dessa época — atua sobre esse balanceamento de ganhos e perdas feitos pelo profissional no processo de decisão sobre sua autonomia. Ao impor um limite temporal no contrato de auditoria, o regime de rodízio modifica a equação dos incentivos e induz o auditor a uma decisão em favor da independência. Afinal, com um futuro contratual finito na partida, menores serão os incentivos para não agir dessa forma, visto que os benefícios econômicos são limitados e decrescentes ao longo do tempo.

Entretanto, o tempo não é a única variável nessa discussão. Em minha tese de doutorado, defendida em 2010, foram coletadas evidências de que a qualidade das auditorias no Brasil é fortemente influenciada pela governança corporativa, pelo tamanho das firmas de auditoria e pela especialização do auditor. As boas práticas alteram os incentivos à independência e potencializam a qualidade das auditorias ao equilibrarem melhor as forças entre os distintos interesses no seio da empresa. O tamanho das firmas de auditoria também pesa: as maiores têm mais a perder se não forem independentes. E a especialização do auditor em determinado ramo também contribui para um melhor desempenho no setor.

Na questão da governança, imaginemos o exemplo de uma empresa cujo conselho de administração (a quem compete escolher e destituir os auditores) não seja “dominado” pelo controlador e na qual atue um bom comitê de auditoria. Teremos, provavelmente, qualidade superior no trabalho da auditoria externa.

Por isso, cabe seguir na jornada em busca da melhoria da governança corporativa, da educação continuada dos nossos auditores e do cumprimento das leis.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CVM Auditoria interna/ externa Comitê de auditoria Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
O setor evoluiu
Próxima matéria
Padronizar não faz mal



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
O setor evoluiu
O rodízio de firmas de auditoria surgiu no Brasil em 1996, como resposta do Banco Central aos indícios de graves deficiências...