Stakeholders precisam assumir papel de protagonistas

Seletas / Governança Corporativa / Colunistas / Edição 75 / 20 de abril de 2017
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


 

Os stakeholders das empresas têm aprendido, a um elevado custo, que a governança não pode ser tratada como mero instrumento de marketing corporativo. É necessário que as partes interessadas — particularmente os investidores — tenham maior protagonismo no monitoramento das operações corporativas e na reivindicação da adoção de boas práticas de governança. Situações peculiares que reforçam essa necessidade não faltam hoje no Brasil.

A Oi é um exemplo de empresa com conturbado histórico de relacionamento com acionistas minoritários, e a fusão da empresa com a Portugal Telecom, anunciada em outubro de 2013, não mudou esse cenário. Pelo menos nos últimos dez anos a Oi se envolveu em vultosas operações de fusões e aquisições e, em junho de 2016, acabou entrando com pedido de recuperação judicial — o plano foi apresentado em setembro passado, mas até agora não houve acordo entre as partes interessadas. A situação financeira da companhia é complexa: em 2016 teve prejuízo de R$ 7,1 bilhões e, ao final do exercício, tinha dívida líquida de R$ 40,3 bilhões e coeficiente dívida líquida/Ebitda no desconfortável nível de 6,3 vezes. Esse quadro evidencia o motivo da apreensão dos acionistas da Oi em relação ao futuro de seus investimentos na companhia.

A imprensa noticia que a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) teria começado a se reunir com operadoras de telefonia para o mapeamento da infraestrutura em milhares de municípios — estaria pensando em plano de contingência para o caso de um colapso da Oi. Vale relembrar que, em abril de 2008, a Oi anunciou a aquisição da Brasil Telecom, por R$ 5,9 bilhões. Para que a operação fosse aprovada, o plano geral de outorgas (PGO), que estabeleceu as regras do setor de telecomunicações, precisou ser alterado. O governo, que deveria zelar pelo controle do risco sistêmico, na ocasião deu bênção à criação da “supertele” — inclusive com financiamento do BNDES, que até hoje é importante credor da empresa. O quadro, nesse recorte, mostra que os problemas da Oi ameaçam extrapolar o ambiente corporativo, os acionistas e os credores — podem respingar num conjunto bastante amplo de partes interessadas.

Na segunda metade da década de 1990 o Brasil muito avançou com a criação das agências reguladoras e o estabelecimento de marcos regulatórios em setores essenciais para economia (telecomunicações, eletricidade, petróleo e gás). É natural haver aprimoramento dos marcos regulatórios ao longo do tempo, mas interesses corporativos não podem se sobrepor aos interesses da sociedade. O enfraquecimento das agências reguladoras e casos como a mudança do PGO em favor de interesse específico da Oi, observados nos últimos dez anos, representam um retrocesso, com impactos negativos sobre a economia e a sociedade brasileiras. A equivocada política de financiamento do BNDES para criação de empresas “campeãs nacionais” igualmente gerou imenso prejuízo — para o banco e para a sociedade. Felizmente, a nova administração tem feito importante trabalho para reduzir subsídios aos financiamentos e avaliar de forma mais adequada as externalidades que eles provocam.

A boa governança é um poderoso instrumento de gestão de riscos e de geração de valor. Mas é preciso lembrar que, na ponta oposta, atitudes temerárias podem destruir valor, prejudicando a empresa e todos os seus stakeholders.

O protagonismo dos principais stakeholders é particularmente importante neste momento tão delicado para o País. Mesmo após três anos de Operação Lava Jato, as revelações de escândalos corporativos não cessam, e a sociedade continua boquiaberta. O imenso transatlântico chamado Brasil navegou durante anos por águas perigosas, que provocaram rombos no casco e inundação da embarcação. Agora a tripulação precisa da ajuda dos passageiros para consertar máquinas, fechar rombos, guiar o transatlântico e protegê-lo contra novos rombos. Os passageiros (stakeholders) precisam, assim, assumir o papel principal nessa missão.

Inspiração para essa nova jornada poderia ser o próprio hino nacional, mas com uma diferença: o “brado retumbante” não mais faria referência à luta pela liberdade em relação a Portugal, mas sim à exigência de uma governança de qualidade — tolerância zero com desvios éticos, descumprimento de leis e regulamentações e defesa incansável de transparência, equidade e prestação de contas.


*Ana Siqueira (ana.siqueira@mapleconsult.com.br) é sócia da Maple Consultoria

 


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a algumas reportagens.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Oi BNDES stakeholders Ativismo ​governança corporativa Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Por que a falta de informação ainda macula as securitizadoras e seus papéis?
Próxima matéria
Questão de semântica: que créditos podem lastrear um CRA?




Recomendado para você




2 comentários

Apr 21, 2017

Vejo esse artigo também como uma homenagem ao Roberto de Barros Lombardi, que é um exemplo vivo de como um acionista minoritario deve e pode assumir brilhantemente seu papel de protagonista, na sua incansável batalha no processo da OPA da Prumo/EIG.


    Apr 21, 2017

    Digo, Roberto Lombardi de Barros. Perdão, Mestre.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Por que a falta de informação ainda macula as securitizadoras e seus papéis?
Comecei a questionar a transparência no mercado de securitização quando, há alguns anos, quis entender as razões...