Riscos vigiados

Apesar de algumas fraquezas, cai o número de companhias com deficiências significativas nos controles internos

Governança Corporativa / Reportagem / Anuário de Governança Corporativa 2012 / 1 de novembro de 2012
Por 


Os dados sobre as práticas de auditoria interna das cem companhias com ações mais líquidas da Bolsa podem sugerir que houve um retrocesso na governança dessas organizações. Afinal, o levantamento indica uma redução de praticamente dez pontos percentuais no número de companhias que possuem auditoria interna — de 85,8%, em 2011, para 76%, em 2012. Jorge Manoel, sócio da PricewaterhouseCoopers (PWC) e líder da área de auditoria, contudo, não interpreta esse dado como um sinal de que as empresas estão se descuidando dos controles internos. “A auditoria interna vem abarcando novas funções e requerendo cada vez mais especialização. Por essa razão, muitas companhias estão terceirizando a atividade”, afirma.

A queda no percentual de companhias que, na visão dos auditores, apresentam deficiências significativas (de 7,1% para 5%) condiz com a visão de Manoel. Foi verificada também uma redução, ainda que tímida, da proporção de empresas em que a auditoria independente presta outros serviços além da auditoria: de 51,5% para 49% (mesmo patamar verificado na publicação de 2010). Dois fatores, de acordo com Manoel, podem ter contribuído para essa queda: a implantação do padrão mundial de contabilidade; e a pressão dos investidores pela elevação dos padrões de governança.



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Auditoria Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Remoção facilitada
Próxima matéria
Valor reconhecido




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Remoção facilitada
Depois de três anos consecutivos em baixa, o número de companhias com poison pill registrado por este anuário subiu: de 28,28%,...