Por trás do desgoverno

O tempo é fator-chave para a compreensão das atitudes antiéticas e ilegais nas organizações

Governança Corporativa/Governança/Edição 147 / 1 de janeiro de 2016
Por 


Em meio a tanto desgoverno corporativo, como ilustram o escândalo das emissões de poluentes da VW e o enorme desastre ambiental da joint-venture de Vale e BHP no Rio Doce, é natural nos perguntarmos o que leva os executivos a muitas vezes tomar decisões que prejudicam a vida de milhões de pessoas.

O tempo é um fator-chave, mas pouco observado, que pode induzir decisões antiéticas e mesmo ilegais nas organizações por três motivos principais:

1. O tempo como elemento de pressão para se decidir: a falta de tempo nos pressiona a decidir rapidamente e de forma irrefletida, muitas vezes sem que compreendamos plenamente as implicações éticas de nossas ações.

2. O tempo como formador de rotinas: o tempo contribui para a sedimentação de certas rotinas organizacionais que se tornam cada vez mais difíceis de mudar, principalmente no caso das empresas consideradas bem-sucedidas.

3. O tempo que leva a mudanças graduais e imperceptíveis: o tempo muda as pessoas e as organizações lenta e continuamente e, em alguns casos, conduz à corrupção e a outros comportamentos antiéticos.

Em relação ao primeiro aspecto, a pressão do tempo faz com que concentremos nossa atenção nas nossas metas e tarefas diárias, o que nos leva a tomar decisões “no automático”. Um experimento clássico realizado na década de 1970 demonstrou como a pressão do tempo pode afetar o julgamento ético.

Estudantes de teologia deveriam dar uma palestra sobre a parábola do bom samaritano em um prédio adjacente (a parábola retrata uma situação na qual um samaritano era o único a ajudar uma pessoa em necessidade). No caminho, um homem deitado simulava passar mal. Para grupo denominado “de controle”, não havia pressão de tempo — nele, todos pararam para ajudar. Para os integrantes do outro grupo, entretanto, os pesquisadores disseram que precisavam ir o mais rápido possível. Neste segundo grupo, apenas 10% pararam: 90% dos seminaristas simplesmente ignoraram o pedido de ajuda (alguns até tropeçaram sobre a pessoa caída na pressa de ir adiante). Sob a pressão do tempo, portanto, podemos ignorar muitas coisas importantes, inclusive as implicações de nossas ações
sobre terceiros.

O tempo também é um elemento que solidifica as rotinas. Muitas práticas e decisões nas empresas se tornam cada vez mais rotineiras, levando as pessoas a realizá-las no piloto-automático. Isso é válido não só para procedimentos corretos de gestão — em alguns casos, as rotinas podem fazer com que práticas de negócio antiéticas também se tornem um hábito.

Mudar as rotinas é ainda mais difícil quando a empresa vem de um período de sucesso. Nesse caso, os hábitos se desenvolvem ao longo de anos por meio de feedbacks positivos: quanto mais sucesso a empresa tem, mais as pessoas acreditam que estão fazendo a coisa certa. A “cegueira pelo sucesso”, assim, dificulta a mudança de práticas antigas e já solidificadas que foram úteis no passado.

O terceiro aspecto mostra que as decisões antiéticas tendem a ser o resultado de um processo que se desenvolve ao longo do tempo de maneira lenta e incremental. Quase ninguém, e provavelmente nenhuma organização, simplesmente decide de um dia para o outro tomar uma grande atitude antiética. Tudo ocorre com mudanças pequenas e imperceptíveis. A noção do que é “normal” muda de forma inconsciente e a maioria das pessoas não vê a erosão gradual nos seus padrões éticos.

Isso ocorre porque a referência para a decisão de hoje é um ponto de partida moral imaginário de anos atrás, quando a pessoa ainda agia com “100%” de integridade. O ponto de referência para a decisão de hoje é a decisão de ontem. Logo, se a transgressão de hoje for apenas um pouquinho maior do que a de ontem, a “diferença ética” será considerada aceitável e a pessoa continuará seu curso de ação rumo a decisões cada vez mais antiéticas.

Muitas fraudes e escândalos começam com os executivos manipulando pequenos números e tomando decisões duvidosas no dia a dia ao longo do tempo. Como disse um ex-executivo da Enron: “Você faz uma vez, cheira mal; você faz de novo, não cheira mais tão mal”.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Vale joint venture VW BHP Rio Doce Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Petrobras será alvo de duas ações coletivas em NY
Próxima matéria
Fusão entre Oi e Portugal Telecom voltará a ser investigada pela CVM



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Petrobras será alvo de duas ações coletivas em NY
Jed Rakoff, juiz da corte federal de Nova York, declarou duas classes de investidores da Petrobras aptas a reivindicar indenização....
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}