Por 


o-bom-governoDe todas as companhias avaliadas neste prêmio, três se destacaram no quesito governança: BRF, Natura e EDP. A gigante mundial da área de alimentos foi a que obteve pontuação mais alta. Adota diversas práticas inexistentes na maioria das empresas. Uma delas é avaliação do desempenho do conselho de administração e de seus membros individualmente. Também se destaca por facilitar ao máximo a democracia corporativa. Além de adotar uma plataforma online para votação dos sócios, tem o cuidado de enviar aos acionistas um convite personalizado, junto com o manual de assembleia, para estimulá-los a participar do encontro. “Incorporamos também ao manual outros documentos que possam suportar a tomada de decisão do investidor. A abordagem direta a acionistas e procuradores ajuda a umentar o quórum nas assembleias”, afirma Edina Biava, gerente de governança corporativa da BRF.

Depois dela, a EDP e a Natura obtiveram as melhores notas — aparecem empatadas. A fabricante de cosméticos também é conhecida por incentivar a participação dos investidores nas assembleias. Há cinco anos, realiza sua assembleia em formato parecido ao de empresas americanas como a Berkshire Hathaway, do investidor Warren Buffett. No encontro, os acionistas minoritários podem fazer perguntas aos controladores e executivos sobre a estratégia da companhia. Duas questões têm sido recorrentes nas reuniões: as possibilidades de a empresa atuar complementarmente no varejo e de ampliar a internacionalização de suas operações, sobretudo em territórios não desbravados, como o africano. “Ao longo deste tempo, temos tido um retorno muito positivo, não só com o aumento da presença dos acionistas, mas com questões instigantes”, destaca Moacir Salzstein, diretor de governança corporativa da Natura.

Companhia de geração, comercialização e distribuição de energia elétrica, a EDP também apresenta uma estrutura de governança exemplar. Um de seus diferenciais é divulgar uma política de doação a campanhas eleitorais — prática adotada por pouquíssimas empresas. Quando o assunto é o conselho de administração, a EDP também faz mais do que precisa. O órgão tem mais de 30% de membros independentes — a exigência de seu nível de listagem, o Novo Mercado, é 25%.

A elétrica também valoriza uma relação próxima com seus investidores, a maioria deles (89%) estrangeira. “Neste ano fizemos um controle de contenção de custos e, por isso, produzimos menos eventos internacionais. Mas em 2013 e 2012, por exemplo, viajamos para regiões novas, tais como Dubai, Milão, Estocolmo, Copenhagen, Sidney, Tóquio e Cingapura”, afirma Miguel Amaro, vice-presidente de finanças e relações com investidores da EDP.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a algumas reportagens.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Natura As Melhores Companhias para os Acionistas CAPITAL ABERTO mercado de capitais EDP BRF ​governança corporativa Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Olhos voltados para ela
Próxima matéria
Vencedoras da categoria de ativos superiores a R$ 15 bilhões




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Olhos voltados para ela
O mercado de capitais sacudiu o Judiciário nos últimos meses. O desmanche da OGX, que entrou com um pedido de recuperação...