Governo exige plano de negócios auditado de licitantes

Governança Corporativa/Edição 115 / 1 de março de 2013
Por 


Em janeiro deste ano, na ocasião da audiência pública da concessão para as reformas dos aeroportos de Guarulhos, Viracopos e Brasília, o governo federal passou a exigir que toda empresa participante de uma licitação tenha a viabilidade de seu plano de negócios referendada por uma auditoria externa e independente à empresa. Essa é a segunda mudança empreendida pelo governo federal no sentido de terceirizar a avaliação da capacidade do candidato. Inicialmente, era o governo que analisava o plano de negócios e o preço oferecido pela empresa para a prestação do serviço e determinava se ela estava apta ou não a concorrer. Depois, essa responsabilidade foi transferida para os bancos e, agora, para as auditorias.

O objetivo do governo ao deixar esse processo nas mãos das auditorias é sanar os problemas decorrentes da disparidade entre os valores apresentados pelos licitantes para oferecer o serviço e o seu real custo. Isso tem causado problemas em diversos setores e atrapalhado a execução de obras. Como a empresa que oferece o menor preço adquire o direito de prestar o serviço, é comum os participantes da licitação jogarem os valores para baixo, sem considerar, por exemplo, aumentos dos custos de execução.

Em novembro de 2012, a empresa que ficou em segundo lugar na licitação da concessão da BR-101, ocorrida em janeiro daquele ano, entrou na Justiça para contestar a capacidade da empresa vencedora de cumprir com o contrato. Por conta disso, a contratação ainda não foi realizada, e a obra está parada.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Auditoria interna/ externa audiência pública CAPITAL ABERTO mercado de capitais governo federal licitação Guarulhos Viracopos Brasília AEROPORTOS plano de negócios Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Investidas de fundos private equity terão treinamento de RI
Próxima matéria
Escolhas erradas



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Investidas de fundos private equity terão treinamento de RI
O Instituto Brasileiro de Relações com Investidores (Ibri) e a Associação Brasileira de Private Equity e Venture Capital...