Glass Lewis critica votação na Austrália

Governança Corporativa/Internacional/Edição 121 / 1 de setembro de 2013
Por 


O ambiente de votação brasileiro pode ter seus problemas, mas há países em situação bem pior. A consultoria de voto Glass Lewis fez, em agosto, duras críticas ao sistema das companhias australianas. O motivo para a alfinetada foi o antiquado uso de “show of hands” nas assembleias gerais. Além de exigir que os acionistas (ou seus procuradores) estejam presentes nas reuniões e levantem a mão para votar, esse modelo dá a cada investidor um voto, independentemente de quantas ações possua. “O uso do show of hands é equivocado e injusto”, escreveu Omar Dannawi, analista da Glass Lewis, no blog da consultoria. Apesar de anacrônico, o sistema vigora também em outros países, como a Suécia.

Pouco a pouco, no entanto, as companhias australianas estão trocando o show of hands pela prática de “uma ação, um voto”. A lei local permite que o conselho, um grupo de acionistas ou qualquer investidor com pelo menos 5% das ações requisite o voto por ação. Um estudo do Corporations and Markets Advisory Committee (Camac), órgão do governo australiano, revelou que 29 das 50 principais empresas do país haviam adotado a prática nas assembleias de 2012.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CAPITAL ABERTO mercado de capitais Glass Lewis notas internacionais Corporations and Markets Advisory Committee Camac Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Private equity investe no setor imobiliário da AL
Próxima matéria
ISS promete ficar atenta à gestão das companhias



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Private equity investe no setor imobiliário da AL
Os gestores de private equity voltados ao mercado de imóveis na América Latina estão captando recursos a todo vapor. Relatório...