Foco na cooperação

Modelos de governança voltados à competição interna podem criar “guerra de tribos”

Governança Corporativa / Governança / Edição 127 / 1 de março de 2014
Por 


Há um verdadeiro dogma de que a competição — entre países, empresas ou pessoas — leva à maior eficiência e prosperidade econômica possível. Adepto assumido dessa crença, o CEO da Sears, Eddie Lampert (bilionário gestor de fundos de hedge que adquiriu o controle da loja de departamentos em 2005) implantou um modelo de governança para promover a máxima competição interna.

Ele separou a companhia em 30 unidades de negócio totalmente autônomas, cada uma com seus próprios diretor-presidente, conselho de administração e demonstração financeira. As unidades devem competir por espaço e receitas nas lojas, e, ainda, por recursos para seus investimentos num evento anual de planejamento. Lampert participa apenas por videoconferência dessa reunião, já que vive recluso em uma mansão de US$ 40 milhões na Flórida e vai à sede da empresa uma ou duas vezes por ano.

Em entrevista à Bloomberg Businessweek, o CEO explicou sua crença no modelo criado: “Se os principais executivos agirem de forma egoísta, dirigirão suas unidades de forma racional, aumentando o resultado financeiro geral”. Na prática, essa tática de governança tem se mostrado extremamente danosa. As unidades se voltaram umas contra as outras como facções rivais, causando impactos negativos para a organização como um todo. De acordo com um executivo da companhia entrevistado pela Bloomberg, o modelo criou uma cultura de “guerra de tribos”. “Se você é de outra unidade, então estamos em duas empresas concorrentes. A colaboração simplesmente não existe.”

Cada unidade passou a pensar apenas no seu lucro, deixando de mirar o resultado coletivo. “Começaram a ocorrer verdadeiras guerras por busca de espaço nas lojas. Ninguém se disponibiliza a fazer sacrifícios, como reduzir preços para aumentar o movimento de clientes, o que beneficiaria todas as unidades”, diz outro executivo. Os números confirmam o desastre do modelo. Desde a entrada de Lampert em 2005, o faturamento da Sears caiu de US$ 49,1 bilhões para US$ 39,9 bilhões, o caixa alcançou o menor patamar em dez anos, e as ações despencaram mais de 70%.

O caso ilustra como o foco na competição interna pode criar um ambiente paranoico, com enorme destruição de valor para todos os stakeholders. Apesar disso, muitos líderes empresariais continuam a promover essa abordagem em suas organizações, em detrimento de um ambiente de coesão e cooperação entre executivos e colaboradores.

Em grande medida, isso deriva de um entendimento errado, por muitos líderes, do conceito de seleção natural proposto por Darwin. Para eles, promover a competição interna seria a forma de assegurar o melhor resultado para o negócio, já que, em tese, levaria à sobrevivência dos mais aptos na organização e à máxima eficiência econômica.

De forma surpreendente, entretanto, inúmeras pesquisas recentes têm demonstrado que é a capacidade de cooperação, e não a de competição, o fator-chave para o sucesso evolutivo de grupos e populações. O próprio Darwin, na verdade, reconhecia isso, conforme trecho de seu livro The descent of man, de 1871: “Não pode haver dúvida de que a tribo que possuir muitos membros sempre dispostos a ajudar uns aos outros, e a se sacrificar pelo bem comum, será vitoriosa em relação às outras. E isso será seleção natural”.

Trazido para o mundo empresarial, o foco na cooperação interna entre executivos e colaboradores cria um contexto social que leva as pessoas a voluntariamente cumprir as regras e a promover o interesse coletivo da organização — objetivo maior das boas práticas de governança.


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CAPITAL ABERTO mercado de capitais Bloomberg Businessweek meritocracia cooperação competição Sears guerra de tribos Eddie Lampert Charles Darwin The descent of man evolução das Companhias Abertas Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Bola murcha
Próxima matéria
Boa notícia




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Bola murcha
De um lado, turistas do mundo todo circulando por 12 cidades, de todas as regiões do País, durante um mês inteiro. Investimentos...