Executiva da IBM dispensa gratificação

Governança Corporativa/Internacional/Edição 127 / 1 de março de 2014
Por 


A diretora-presidente da IBM, Ginni Rometty, pegou acionistas de surpresa no fim de janeiro. Ao anunciar os resultados do quarto trimestre de 2013, comunicou que ela e outros diretores abririam mão de receber os bônus relativos àquele ano. Com isso, a executiva deixou de embolsar cerca de US$ 4 milhões. Não é para menos: a companhia teve um declínio de 5% no faturamento, que já cai há sete trimestres consecutivos. A atitude de Ginni Romety, contudo, é uma rara exceção.

Apesar do escrutínio dos investidores sobre a remuneração de executivos, mesmo com resultados ruins os administradores seguem dispostos a engordar seus salários. Jamie Dimon, CEO do J.P. Morgan, por exemplo, recebeu um aumento na mesma semana em que Ginni desistiu de seu bônus. A notícia causou polêmica — o benefício foi concedido num ano que tende a ser complicado para o orçamento da instituição. O J.P. Morgan levou multa de US$ 1,7 bilhão por não ter reportado às autoridades as atividades suspeitas de Bernard Madoff, em 2008. Os conselheiros do banco, entretanto, defendem que Dimon merece ganhar mais justamente por liderar a instituição em momento tão conturbado.

Ilustração: Eric Peleias




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Estados Unidos Remuneração de executivos CAPITAL ABERTO mercado de capitais IBM J.P. Morgan Ginni Romety Jamie Dimon Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Assembleias on-line são cada vez mais comuns nos EUA
Próxima matéria
Metafato relevante



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Assembleias on-line são cada vez mais comuns nos EUA
A quantidade de empresas que realizam assembleias apenas virtualmente cresce a cada ano nos Estados Unidos. Provedora de tecnologia...
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}