Europa sugere que consultorias de voto se autorregulem

Governança Corporativa/Internacional/Edição 115 / 1 de março de 2013
Por 


A European Securities and Markets Authority (Esma) está de olho nas consultorias de voto. Em fevereiro, o xerife do mercado de capitais europeu publicou um relatório sugerindo que elas busquem a autorregulação. O objetivo é aumentar a transparência dos métodos utilizados para recomendação de voto e evitar conflitos de interesses que possam influenciar as orientações.

A Esma sugere que as consultorias se definam como facilitadoras no processo de decisão do voto e que fique claro para os investidores que seus conselhos não devem ser seguidos mecanicamente. De acordo com o regulador europeu, é difícil medir a influência que essas empresas têm hoje sobre seus clientes. Para a produção do relatório, que começou em março de 2012, foram ouvidos, além dos consultores de voto, investidores, bancos de investimento e companhias.

A Glass Lewis, uma das principais consultorias de voto do mundo, afirmou que a influência das consultorias é superestimada. Mais de 80% dos 900 investidores para os quais presta serviço, argumentou, votam de acordo com uma política própria. Na maioria das vezes, a política está em linha com as recomendações da Glass Lewis, mas não há nada que impeça o uso de outra metodologia.

A Esma pretende analisar o assunto novamente daqui a dois anos. Caso as consultorias não tomem iniciativas para implementar um sistema de autorregulação, é possível que a reguladora emita normas para disciplinar a atuação desses agentes.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Europa CAPITAL ABERTO mercado de capitais European Securities and Markets Authority Bruna Maia Esma Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Ano começa morno para os IPOs nos EUA
Próxima matéria
Reguladores focam na qualidade do suitability



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Ano começa morno para os IPOs nos EUA
Enquanto no Brasil o ano iniciou soprando bons ventos para as ofertas públicas iniciais de ações (IPOs, na sigla em inglês)...