Estatais da União ganham regras de transparência

No embalo das iniciativas do mercado, o governo federal divulgou, no dia 7, três resoluções que impõem novas regras […]

Edição 2 / Governança Corporativa / Seletas / Reportagem / 13 de novembro de 2015
Por 


Governanca estatais_S2_Pt

No embalo das iniciativas do mercado, o governo federal divulgou, no dia 7, três resoluções que impõem novas regras de transparência para suas controladas. Dentro de seis meses, empresas públicas, sociedades de economia mista e sociedades nas quais a União detém a maioria do capital votante terão que publicar um conjunto de informações na internet, “com acesso fácil e organizado”. A medida partiu da Comissão Interministerial de Governança Corporativa e de Administração de Participações Societárias da União (CGPar). Criado em 2007, o órgão é atualmente presidido pelo ministro do Planejamento, Nelson Barbosa.

As companhias abertas, sujeitas à Lei das S.As., já cumprem boa parte das exigências. A novidade é que suas controladas e subsidiárias, além das empresas estatais de capital fechado, também precisarão divulgar as informações e mantê-las atualizadas. Entre os itens de publicação obrigatória estão: ato ou lei de criação da sociedade; estatuto social; código de ética; e composição do capital social, da diretoria executiva e dos conselhos de administração e fiscal. Os dados deverão ser atualizados sempre que houver alteração.

As empresas ainda terão que submeter suas demonstrações financeiras ao aval de auditores independentes, além de manter um canal de atendimento para stakeholders, dedicado a receber e examinar sugestões, reclamações e denúncias.
Os conselhos fiscais também ganharam mais responsabilidade. De acordo com uma das portarias, o órgão será obrigado a adotar um plano de trabalho anual, passivo de autoavaliação periódica.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  estatais União economia mista Sociedade de Economia Mista CGPar Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Investidores rumam para o exterior em busca de ações
Próxima matéria
Alcance da debênture de infraestrutura ainda é tímido



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Investidores rumam para o exterior em busca de ações
No quesito aporte de recursos, os fundos de ações acumulam o pior desempenho do ano. Os resgates somam R$ 36,2 bilhões...