Consultorias de remuneração têm cada vez mais influência sobre salários de executivos

10/10/2014

Governança Corporativa/Internacional / 10 de outubro de 2014
Por 


Instituições que elaboram pacotes de pagamento para diretores de empresas abertas, de modo a alinhar o interesse deles com o de seus acionistas, são consideradas cada vez mais relevantes por conselheiros na hora de aprovar o salário dos administradores. A pesquisa Corporate Director’s Survey, lançada essa semana pela PwC, ouviu membros dos boards de 863 empresas americanas. Para 48% deles, as consultorias de remuneração são muito influentes – em 2013, 36% dos entrevistados tinha essa opinião.

A explicação para isso é a importância cada vez maior que acionistas e empresas que fazem recomendação de voto – como a ISS e a Glass Lewis – dão para o tema. A obrigatoriedade de levar pacotes de remuneração à assembleia anual (say on pay), em vigor há quatro anos, também ajudou a compor esse cenário: 84% dos executivos que participaram do levantamento consideram que a regra os obrigou a prestar mais atenção nesse tópico.

Curiosamente, apesar de toda a pressão que as consultorias de voto fazem para que os programas de remuneração sejam transparentes e eficientes, elas são consideradas moderadamente influentes por 51% deles. A crítica a essas empresas foi intensa: oito em cada dez consideram que elas são generalistas e usam padrões únicos para empresas diferentes. A pesquisa também mostrou que os conselheiros estão um pouco mais preocupados em conversar com pessoas ligadas a companhia, como empregados, por exemplo, do que antes. Esse ano, 66% disseram que estão se comunicando com investidores institucionais – ante 62% em 2013.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  conselho de administração ISS Say on pay PwC Glass Lewis consultoria de voto política de remuneração Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
E, de repente, brasileiros se preocupam com a bolsa de valores
Próxima matéria
CASE 2014



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
E, de repente, brasileiros se preocupam com a bolsa de valores
Brasileiros não são afeitos a investir na bolsa de valores. Temos 366 empresas listadas; nossa taxa de poupança equivaleu...