Companhias com mais mulheres na liderança têm retorno maior, mostra pesquisa

Companhias com três ou mais mulheres no conselho de administração registraram um retorno médio de 10,1% entre o fim de 2009 e agosto deste ano. O percentual é superior ao de empresas com menos de três representantes femininas no board, que tiveram, no mesmo período, um retorno médio de 7,4%. Para …

Governança Corporativa / Seletas / Edição 11 / Internacional / 10 de dezembro de 2015
Por 


Ilustração: Grau 180.com.

Ilustração: Grau 180.com.

Companhias com três ou mais mulheres no conselho de administração registraram um retorno médio de 10,1% entre o fim de 2009 e agosto deste ano. O percentual é superior ao de empresas com menos de três representantes femininas no board, que tiveram, no mesmo período, um retorno médio de 7,4%. Para os autores do trabalho, a explicação pode estar em pesquisas sociológicas e psicológicas, segundo as quais empresas com maior diversidade tendem a ser mais inovadoras e a tomar decisões melhores.

A conclusão é de um estudo feito pela MSCI, empresa especializada no cálculo de índices. O relatório também indicou que empresas com mais diversidade apresentaram menos problemas de governança corporativa. Companhias com poucas mulheres no conselho tiveram 24% mais problemas que a média entre 2012 e 2015, segundo o estudo.

Em agosto deste ano, as mulheres ocupavam 15% dos cargos de alto escalão nas 4.218 companhias pesquisadas, um aumento de 15,9% desde 2014. A MSCI destacou que se o número de conselheiras continuar a crescer no mesmo ritmo dos últimos seis anos, o patamar de 30% de membros do sexo feminino na liderança de companhias será atingido apenas em 2027. Para alcançar esse objetivo antes, mais mulheres precisariam ser contratadas para novas vagas em conselhos. Em 2015, elas ficaram com apenas 16% dos novos postos — e essa taxa aumenta, em média, 1,54% ao ano.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a algumas reportagens.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  mulheres Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
RIs e sell side
Próxima matéria
Especialistas descartam tag along em troca de controle do BTG Pactual



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
RIs e sell side
No exterior, a redução das comissões sobre transações em bolsa e a contenção de gastos dos investidores institucionais...