CalSTRS quer que Facebook melhore sua governança

Bimestral/Governança Corporativa/Internacional/Edição 103 / 1 de março de 2012
Por 


A estrutura de governança corporativa proposta pela rede social Facebook está incomodando um dos mais poderosos fundos de pensão do mundo, o CalSTRS, que administra US$ 145 bilhões de 850 mil professores da Califórnia. Desde o nascimento da rede, seu fundador, Mark Zuckerberg, tem, metodicamente, feito arranjos para manter o controle da empresa à custa de iniciativas que provocam um descasamento entre poder político e econômico. O capital social do Facebook é formado de duas classes de ações, a A e a B, mas somente a primeira será vendida na oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês). O detalhe é que os papéis do tipo A têm um poder de voto dez vezes menor que os do tipo B.

Diante disso, o CalSTRS pretende mandar uma carta ao Facebook orientando–o a melhorar suas práticas de governança. O fundo de pensão já é investidor da companhia por meio de fundos de private equity e pretende aumentar sua participação quando houver o IPO da rede, que planeja captar US$ 5 bilhões. “Não queremos dizer a Zuckerberg ou a qualquer outro empreendedor como dirigir a sua empresa, mas precisamos de alguma proteção, principalmente porque somos investidores de longo prazo”, falou Hester–Amey, gestora da CalSTRS, à Reuters.

O Facebook também colocou, no seu estatuto social, uma série de defesas para evitar tentativas de aquisição hostil e batalhas por procurações de voto, segundo documentos arquivados na Securities and Exchange Commission (SEC). Atualmente, Zuckerberg possui diretamente uma participação de 28,4% no Facebook, mas acordos com dois grandes investidores, DST Global e Accel Partners, fazem com que, na prática, tenha 57,1% das ações com direito a voto.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Facebook Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
União Europeia poderá obrigar say on pay
Próxima matéria
Bancos indianos devem prestar contas de seus IPOs



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
União Europeia poderá obrigar say on pay
As companhias abertas europeias podem ter de submeter obrigatoriamente a remuneração executiva à aprovação de seus acionistas....