Anúncio desmoraliza nova diretoria de governança da Petrobras e lança debate sobre intervenção

Governança Corporativa/Seletas/Edição 139 / 1 de março de 2015
Por 


anuncio-desmoraliza-a-novaMesmo após ter instituído uma diretoria para cuidar da governança corporativa, capitaneada por João Elek, a Petrobras não escondeu a precariedade de suas práticas na área. Os três conselheiros de administração não eleitos pelo controlador — indicados por minoritários donos de ações preferenciais, ordinárias e funcionários — ficaram sabendo da indicação de Aldemir Bendine para a presidência da companhia pela mídia. O board foi convocado a se reunir às 9h de 6 de fevereiro. Por volta das 10h, o nome do novo presidente já era anunciado por sites de notícias, antes que esse item da pauta fosse deliberado pelos conselheiros.

Indignado, Mauro Cunha, integrante do board eleito pelos minoritários, divulgou uma nota após a reunião. “Os conselheiros tomaram conhecimento do nome do novo presidente da companhia pela imprensa, antes de o assunto ser discutido. Eu gostaria de dizer em público as verdades que pus em ata, mas correria o risco de sofrer retaliações, como já sofri no passado. O acionista controlador mais uma vez impõe sua vontade sobre os interesses da Petrobras, ignorando os apelos de investidores de longo prazo”, disse no comunicado.

A gravidade do quadro da Petrobras fomenta discussões a respeito da participação das companhias de economia mista no mercado de capitais e dos limites de atuação do controlador. O Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) lançou, no dia 13 de fevereiro, uma carta opinião sobre a governança desse tipo de empresa. No documento, abordou o polêmico artigo 238 da Lei das S.As. O dispositivo prevê que o acionista majoritário “poderá orientar as atividades da companhia de modo a atender ao interesse público que justificou sua criação”.

A carta esclarece que, na visão do IBGC, o termo “interesse público” é tão somente aquele que justificou a criação da sociedade de economia mista e deve ser, necessariamente, conciliado com os atributos intrínsecos a uma empresa de capital aberto. Isso significa que as companhias devem ser administradas de forma responsável e transparente, tratando com equidade todas as partes interessadas, e com foco no longo prazo. Para evitar dúvidas dos acionistas, o IBGC recomenda que as empresas mistas elaborem um capítulo específico do estatuto social com seu entendimento do que é o interesse público. Além disso, o tema deve ser abordado no relatório da administração.

A CVM também abordou o assunto, no ofício circular emitido anualmente pela Superintendência de Relações com Empresas (SEP). A autarquia recomenda que o formulário de referência das companhias de economia mista contenha uma descrição dos riscos hipotéticos de a empresa ser levada a “atender o interesse público que justificou sua criação”.

Ilustração: Rodrigo Auada


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 36 00

Mensal

Acesso Digital
-
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Completa

R$ 42 00

Mensal

Acesso Digital
Edição Impressa
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Corporativa

R$ 69 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 15% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Clube de conhecimento

R$ 89 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 20% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital | Acervo de Áudios



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CVM Petrobras IBGC CAPITAL ABERTO mercado de capitais fato relevante Aldemir Bendine João Elek companhia de economia mista Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Petrobras: decisão rápida ou informação dissimulada?
Próxima matéria
Após fraude de R$ 313 milhões, empresa dinamarquesa abre falência



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Petrobras: decisão rápida ou informação dissimulada?
O burburinho em torno do aumento do preço dos combustíveis, anunciado ontem pela Petrobras, conseguiu arrefecer o interesse...
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}