Alpargatas prepara migração para o Novo Mercado, com diluição de investidores

Quer continuar lendo? Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a algumas reportagens. Quero me cadastrar! Já tenho cadastro! Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção. Assine a partir de R$ 36/mês! Quero assinar! Você está lendo {{count_online}} de …

Governança Corporativa / Seletas / Reportagem / Edição 76 / 28 de abril de 2017
Por 


Ilustração: Rodrigo Auada

Ilustração: Rodrigo Auada

Ao fim do pregão do último dia 20 de abril, a Alpargatas anunciou que convocará uma assembleia para discutir sua migração para o Novo Mercado da B3. A proposta é de conversão das ações na proporção de 1,3 PN para cada ON — atualmente, a companhia tem quase a metade de seu capital sob a forma de preferenciais. O plano foi idealizado pela controladora, a J&F Investimentos, com base em estudo feito pelo Bradesco BBI. A diluição de 23%, no entanto, promete gerar polêmica: o percentual é maior que o registrado em recentes operações semelhantes.

Em 2016, ao levarem a negociação de seus papéis para o Novo Mercado, Contax e Santos Brasil converteram as ações na proporção de uma PN para cada ON — ou seja, não diluíram os acionistas. Já a Vale, que em fevereiro deste ano anunciou planos de migração para o segmento especial, diluirá os minoritários, mas em escala inferior à proposta pela Alpargatas. Após a conversão das ações PN da Vale em ON, supondo que todos os minoritários decidam aderir à troca, eles ficarão com 58,11% do capital social, ante os 61,01% que detêm atualmente. A relação de troca será de 0,9342 ON para cada PN — proporção calculada com base no preço de fechamento dos 30 pregões anteriores ao anúncio da operação.

A diluição sugerida pela Alpargatas surpreendeu o mercado, mas conta com o apoio do maior minoritário da companhia. Segundo o comunicado de fato relevante divulgado no dia 20, a Bonsucex, holding controlada por Silvio Tini de Araújo, antecipou estar de acordo com a operação. A ida da Alpargatas para o Novo Mercado era uma demanda antiga do empresário, desde a época em que a companhia era controlada pela Camargo Corrêa.

O aval de Araújo promete ser importante na assembleia especial de preferencialistas que deliberará sobre a conversão — ainda sem data marcada. Somadas as fatias que detém diretamente na empresa e por meio da holding Bonsucex, o investidor é dono de 10,5% do capital da Alpargatas — o equivalente a 10,59% do total de PNs e a 10,44% das ONs. Tem, portanto, a segunda maior fatia de preferenciais, atrás da J&F (20,95%).

A Alpargatas não informou se a J&F votará na assembleia. Cabe destacar que os acionistas que não comparecerem ao encontro, forem contrários à conversão ou se abstiverem de votar têm assegurado o direito de retirada. O pagamento, no entanto, é pouco atrativo: R$ 4,27, preço equivalente ao valor patrimonial no encerramento do último exercício. No fechamento do pregão de 26 de abril, cada PN valia R$ 12,65.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a algumas reportagens.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Governança Alpargatas Novo Mercado segmentos especiais Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Lei de Falências favorece “ganha-ganha” com a venda de unidades isoladas
Próxima matéria
Impacto coletivo




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Lei de Falências favorece “ganha-ganha” com a venda de unidades isoladas
Passados mais de dez anos de vigência da Lei 11.101/05, conhecida como Lei de Recuperação Judicial e Falências, é inegável...