Regra para OTC gera temor de falta de colateral

Gestão de Recursos/Internacional/Edição 119 / 1 de julho de 2013
Por 


O faturamento global dos bancos pode cair entre US$ 5 bilhões e US$ 10 bilhões até 2015, em função das novas regras para gestão de colateral — colchão financeiro que permite às câmaras de compensação assegurar o pagamento das operações realizadas em suas plataformas. É o que indica um cálculo feito pelo Morgan Stanley e pela consultoria Oliver Wyman. O motivo é uma norma que entrou em vigor nos Estados Unidos no último dia 10 de junho, segundo a qual derivativos negociados no mercado de balcão devem passar por clearings centrais e ser garantidos por colateral.

Em depoimento à revista Institutional Investor, Nadine Chakar, diretora de estratégia de colateral do BNY Mellon, afirmou que não haverá colchão financeiro para assegurar todas as operações. A incógnita, porém, é apontar o momento em que a escassez começará. No início deste ano, a preocupação com o aperto de colateral motivou a fundação da Liquidity Alliance, uma associação formada pela brasileira Cetip, pela alemã Clearstream, pela espanhola Iberclear, pela australiana ASX e pela sul-africana Strate, com a finalidade de discutir soluções para o problema. A julgar pelo discurso de especialistas, entretanto, ninguém tem condições de prever exatamente qual será o desfecho dessa história.

Apesar de controversa, a norma tem aberto algumas oportunidades. Profissionais especializados em gestão de colateral se tornaram mais requisitados do que nunca. E até mesmo os bancos, que reclamam da perda de faturamento, desenvolveram maneiras de tirar vantagem da situação. Para cumprir a regra, as câmaras de compensação precisarão operar com ativos de alta qualidade, o que gera uma demanda pela troca de ativos de baixo rating por outros melhores — um nicho em que os bancos vislumbram atuar.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  OTC Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
O buzz do frango
Próxima matéria
Hedge funds apostam em customização



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
O buzz do frango
A JBS comprou a Seara da rival Marfrig e gerou buzz (termo usado para designar um assunto muito comentado) nas redes sociais....