Private banking cresce 7% no primeiro semestre

Depois de ter apresentado crescimento de apenas 2,66% no patrimônio líquido no segundo semestre do ano passado, o segmento de private banking fechou os seis primeiros meses de 2016 com evolução de 7,04%, administrando R$ 762,6 bilhões, segundo levantamento da Anbima. O resultado desse segmento, …

Gestão de Recursos/Seletas/Reportagens/Edição 45 / 26 de agosto de 2016
Por 


Ilustração: Rodrigo Auada

Ilustração: Rodrigo Auada

Depois de ter apresentado crescimento de apenas 2,66% no patrimônio líquido no segundo semestre do ano passado, o segmento de private banking fechou os seis primeiros meses de 2016 com evolução de 7,04%, administrando R$ 762,6 bilhões, segundo levantamento da Anbima.

O resultado desse segmento, destinado a clientes com grandes fortunas, foi impulsionado por aplicações em previdência aberta (que cresceram 11,56%) e em fundos de investimento (expansão de 5,62%). A surpresa ficou por conta dos aportes em renda variável, que aumentaram 14,89%, atingindo R$ 91,37 bilhões.

De acordo com João Albino, presidente do comitê de private banking da Anbima, o segmento pode apresentar resultados ainda melhores ao fim deste ano, por causa da estabilização do cenário político, do aumento da confiança do investidor e do maior fluxo de dinheiro proveniente da repatriação de ativos mantidos no exterior. “Se o cliente não regularizar esse dinheiro, o banco lá fora não vai mais querê-lo”, ressalta Albino.

Além disso, conforme observa o executivo, o fato de mais de um terço da renda fixa mundial pagar juros negativos torna o Brasil atrativo para investimentos. O estudo da Anbima mostra que as aplicações do private banking em títulos públicos cresceu 40,7% entre janeiro e junho deste ano. E, para o segundo semestre de 2016, Albino espera expansão entre 14% e 16%.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  gestão de recursos Anbima Renda fixa private banking renda variável repatriação de ativos Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Dodd-Frank na mira dos republicanos
Próxima matéria
Novo relatório de auditoria: o dilema da maior exposição



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Dodd-Frank na mira dos republicanos
Cotado para se tornar o secretário do Tesouro de Donald Trump caso o controverso empresário seja eleito presidente...